Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

07/02/2008 - Última Instância Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Empresários de SP acusados de falsidade ideológica pedem liberdade ao STF


Dois empresários paulistas acusados de crime de falsidade ideológica entraram com pedido de habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal).

Eles são acusados de criar empresas “com o objetivo de terceirizar a mão de obra de professor e conseqüentemente impedir qualquer vínculo empregatício entre professores e escolas particulares de São José do Rio Preto”, segundo informações da ação.

O habeas corpus contesta decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que beneficiou dois co-réus, mas manteve a acusação dos empresários.

De acordo com a acusação, durante a alteração de contrato das empresas para admissão de novos sócios, os acusados falsificaram a assinatura de diversos professores. No entanto, a defesa alega que as assinaturas apontadas como falsas são dos próprios acusados e não uma tentativa de copiar ou falsificar as de outras pessoas.

Eles fizeram suas assinaturas mais de uma vez no mesmo documento, uma sobre o seu próprio nome e outra sobre o nome de terceiros. Por isso, de acordo com os advogados, não se pode afirmar que houve falsificação, “porque não se tentou imitar a assinatura de quem quer que seja”. Acrescenta que a simples comparação de outra assinatura colocada a poucos centímetros permite concluir que apenas uma pessoa assinou duas vezes.

Ainda de acordo com a defesa, embora o STJ tenha reconhecido que não houve falsificação de assinaturas, deixou de acolher a tese de atipicidade da conduta. Afirma que, se houve crime, em tese, ele não pode ser de falsidade ideológica. As testemunhas também afirmaram em juízo que não sofreram qualquer prejuízo em razão das assinaturas.

Portanto, a defesa pede a concessão de liminar para que a ação penal seja suspensa até o julgamento de mérito do habeas corpus pelo STF. O relator do caso é o ministro Joaquim Barbosa.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 256 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal