Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

29/01/2008 - A Tribuna Digital Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Delegado é suspeito de fraude em compra de ternos em SP


Cerca de 60 policiais civis que trabalham nos aeroportos de São Paulo têm ordem para usar terno. A determinação é para os investigadores que atendem o público e são ligados ao Departamento de Identificação e Registros (Dird). Eles foram convocados para tirar medidas para o terno pelo próprio diretor do departamento, o delegado Pedro Herbella, que pode estar envolvido em um caso de desvio de dinheiro na compra das roupas.

Em uma circular, o delegado especifica a fábrica onde o terno e as camisas podem ser comprados. No documento, ele indica até como chegar ao local, em Cotia, na Grande São Paulo. Os ternos prontos, no entanto, deveriam ser retirados na diretoria do próprio Dird, mediante a assinatura de um recibo de R$ 300,00. Mas, no documento que os policiais foram obrigados a assinar, não há menção à compra de ternos. O recibo dá outra justificativa para o gasto de R$ 300 por investigador: despesa com operações sigilosas.

A medida revoltou um grupo de investigadores. É que o valor do recibo equivale a mais do dobro do preço real da compra. A vitrine na loja da fábrica que vendeu os ternos estampa o preço do conjunto de terno, camiseta e gravata: R$ 129,00. De acordo com a vendedora, para compras no atacado, o cliente ganha 10% de desconto. Como cada policial tem ainda uma camisa extra no kit, o preço de atacado fica em R$ 143,00.

Pelo preço da loja, 60 kits sairiam por R$ 8.580,00. Pelo valor dos recibos, a despesa sobe para R$ 18 mil. Segundo a vendedora, foi o próprio delegado quem comprou as peças, pelo valor de R$ 8.580,00, e pagou em dinheiro.

Herbella confirma que pagou R$ 143,00 por kit e diz que no recibo de R$ 300,00 que cada policial assinou estavam incluídos outros gastos.

“É o terno, o que o policial comeu, é o que viaja. Não tem maracutaia, não tem desvio, não tem sobrepreço, não tem nada não”, afirmou Herbella.

Depois da entrevista, o delegado informou que vai apurar quem mandou fazer os recibos com o dobro do valor da despesa. As informações são do Jornal Nacional.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 250 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal