Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

29/01/2008 - TI Inside Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ex-CFO da SafeNet é condena à prisão e multada em US$ 1 milhão


A ex-diretora financeira da SafeNet, Carole Argo, foi condenada na segunda-feira (28/1) a seis meses de prisão e multada em US$ 1 milhão por fraudar títulos e pela prática de concessão de opções de ações com data retroativa a que a empresa efetivamente autorizou. A executiva admitiu ter concedido a retroatividade de opções de ações da SafeNet no valor de milhões de dólares.

A oferta de opções de ações com data retroativa por si só não é ilegal, nem a concessão de descontos. O que é ilícito é a divulgação indevida, em registros financeiros, à Securities and Exchange Commission (SEC), órgão que regulamenta as bolsas e o mercado de capitais nos EUA.

Carole foi condenada pelo juiz Jed Rakoff, do Tribunal Distrital de Nova York. A Corte Federal orienta que a condenação para casos como esse é um período de prisão de nove a dez anos. O escritório federal havia recomendado uma sentença à executiva de cerca de cinco anos. Mas Rakoff justificou que a pena de seis meses levou em consideração o trabalho dela junto a instituições de caridade e porque “seu crime é menos grave do que as espetaculares fraudes financeiras ocorridas na última década”. Ele também disse que a multa de US$ 1 milhão é uma condenação severa.

Antes de ser condenada, Carole, de 46 anos, chorou e pediu que a perdoassem. "As minhas desculpas a todos aqueles que foram prejudicados por isso", disse ela, segundo o jornal The New York Times.

Paul Engelmayer, seu advogado, disse que ela já tinha ressarcido à empresa em US$ 236 mil. E disse que era pouco provável que ela pudesse suportar o US$ 1 milhão de multa.

Ministério Público Federal americano acusou Carole de conspirar com outras pessoas para concessão de opções de ações com data retroativa de forma rotineira de forma que parecesse que elas havia emitido os títulos quando o preço das ações da SafeNet estavam em um ponto baixo no período.

A SafeNet fabrica sistema de criptografia de links, aplicações de segurança de redes, soluções de guarda de chaves-raiz, dispositivos de autenticação e de gerenciamento de identidade e opera no Brasil por meio de uma subsidiária.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 323 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal