Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

19/01/2008 - Jornal Pequeno Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

O lavatório


São tantas as acusações de corrupção contra o grupo político do senador José Sarney que precisamos analisá-las por partes.

A imprensa nacional e o Jornal Pequeno noticiaram que os procuradores desconfiam de que o fato de a São Luís Factoring funcionar dentro das empresas da família Sarney, não ter placa de identificação nem trabalhar para outras pessoas indica que a empresa está sendo usada para finalidade diversa daquela que foi criada.

Informam mais: que a quebra de sigilo bancário de Fernando Sarney mostra que, desde que foi criada em 2000, a empresa nunca trabalhou com pessoas físicas e jurídicas que não fossem da família Sarney.

Mais uma vez precisamos dizer que a lavagem de dinheiro não é uma ação típica de criminosos maranhenses. No Brasil, somente em 2005, a Polícia Federal abriu 919 inquéritos policiais contra suspeitos de lavagem de dinheiro. O que estimula essa situação é o crescimento dos mercados financeiros mundiais que torna a lavagem de dinheiro mais fácil do que nunca. São países cujas leis obrigam a declaração de renda e bens, tornando possível depositar dinheiro sujo anonimamente em um país e então transferi-lo para ser usado em outro.

Lavagem de dinheiro, traduzindo do economês, é o ato de fazer o dinheiro que sai da origem “A” parecer que vem da origem “B”. Na prática, o criminoso está tentando camuflar a origem de dinheiro proveniente de atividades ilegais para que pareça que foi obtido de fontes legais. Do contrário, não podem usar o dinheiro porque ele seria vinculado a atividades criminais e a polícia iria bloqueá-lo.

Os criminosos que mais precisam lavar dinheiro são traficantes de drogas, estelionatários, políticos corruptos, funcionários públicos, membros de quadrilhas, terroristas e golpistas.

Em que buraco estão enfiando o Maranhão!

Essa gente precisa de bons sistemas de lavagem porque lidam quase exclusivamente com dinheiro vivo, o que causa todo tipo de problemas logísticos. O dinheiro vivo não só chama a atenção da polícia, como também é pesado. Só para citar um exemplo um milhão de dólares em cocaína pesa cerca de 20 kg, enquanto um milhão de dólares em notas pesa cerca de 110 kg.

Um curso de lavagem de dinheiro poderia ser ministrado por esses ilustres maranhenses, ora acusados de todo tipo de crime contra a economia, etapa por etapa:

Na fase da colocação, o criminoso põe o dinheiro sujo em uma instituição financeira legítima. Isso geralmente acontece na forma de depósitos bancários em dinheiro. É a etapa mais arriscada do processo de lavagem porque grandes quantias de dinheiro chamam muito a atenção e os bancos são obrigados a declarar transações de valor alto. Assim, são obrigados a fazer inúmeros pequenos depósitos para despistar.

Em seguida vem a fase da ocultação que consiste no envio do dinheiro de várias transações financeiras para mudar seu formato e dificultar o rastreamento. A ocultação pode ser feita através de várias transferências de um banco para outro; transferências eletrônicas entre várias contas de pessoas diferentes em países diversos; realização de depósitos e saques a fim de alterar os saldos de contas; mudança de moeda e compra de artigos caros (barcos, casas, carros, diamantes) para mudar a forma do dinheiro. É a fase mais complexa do esquema de lavagem e seu objetivo é dificultar ao máximo o rastreamento da origem do dinheiro sujo.

A última fase, segundo os professores maranhenses é a da integração. Nela, o dinheiro é reincorporado ao sistema econômico de forma legítima e parece ser proveniente de uma transação legal. Isto pode ser feito através de uma transferência bancária para a conta de uma empresa local na qual o criminoso investe em troca de participação nos lucros; da venda de um iate comprado durante a fase de ocultação; ou da compra de uma chave de fenda por 10 milhões de dólares, por exemplo, de uma empresa da qual o criminosos seja proprietário. Nesta fase o criminoso pode usar o dinheiro sem ser pego em flagrante.

Qualquer semelhança com atos e fatos praticados pelo esquema político sarneisista não é mera coincidência.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 295 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal