Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

17/01/2008 - Gazeta Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia apreendeu mais de 360 mil produtos piratas no Estado em 2007


A Delegacia de Defraudações e Falsificações (Defa) divulgou, na manhã desta quinta-feira (17), o balanço das operações desenvolvidas durante o ano de 2007. Entre as atividades estão operações, prisões e apreensões que foram realizadas em todo o Estado.

De acordo com o Delegado titular da Defa, Lauro Coimbra, diversas ações foram efetuadas para combater os crimes de pirataria, estelionato e falsificação de documentos. “A Polícia Civil intensificou as operações nos municípios em todo o Estado em 2007, o resultado foi um maior número de apreensões e prisões”, disse Coimbra.

Nas operações realizadas, os produtos piratas foram os campeões das apreensões. Tênis, remédios DVDs, CDs, óculos, relógios e cigarros são alguns exemplos de objetos confiscados pela polícia.

Para que esses produtos fossem retirados de circulação na Grande Vitória e no interior, cerca de 50 operações policiais foram realizadas, visando a repressão ao crime de pirataria. Em 2007 foram concluídos e encaminhados à Justiça 229 inquéritos.

Concentração

Segundo a Defa, durante as operações foi verificado que o Centro de Vitória, Campo Grande, em Cariacica, Centro de Vila Velha e Laranjeiras, na Serra, são os pontos onde estão concentrados o maior número de vendedores de produtos pirateados.

A maioria dos produtos apreendidos vem de São Paulo, considerada a sede da pirataria no Brasil. No Estado esses artigos são vendidos por vendedores vindos em sua maioria do Nordeste, que acabam chegando com o sonho de oferta de um emprego rentável, comparado com as oportunidades que eles têm em sua região de origem.

Os vendedores, quando são presos pelos policiais civis, além de perder a mercadoria, acabam sendo autuados nos crimes de pirataria. A pena para quem vende produtos piratas é de 3 meses a 4 anos de reclusão, além de multa.

Coimbra alertou que a população também pode sofrer penalidades ao comprar produtos piratas. Os consumidores dos objetos falsos podem ser autuados no artigo 184 do Código Penal Brasileiro, estando sujeitos a uma pena de 1 a 2 anos de reclusão.

Pirataria

O delegado lembra que os compradores nem sempre sabem que estão cometendo um crime. “A pirataria nada mais é que vender um produto falsificado com a intenção de ocupar o lugar do produto verdadeiro no mercado. A atividade burla o fisco e produz prejuízos materiais e morais aos seus fabricantes”, afirmou.

Coimbra garante que, em 2008, a Defa pretende firmar parcerias com as delegacias de todo o Estado para combater mais efetivamente crimes de estelionato, pirataria, falsificações de documentos e os demais crimes que envolvem fraudes e falsificações.

Material apreendido

Tênis
1.834

Óculos
1.931

Relógios
35

Remédios
20

Cigarros (maço)
18.958

DVDs
240.178

CDs
60.692

Box para CD
40.000

Total de itens apreendidos
363.648

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 262 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal