Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/05/2006 - Globo Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Golpistas não têm direito à fiança

Por: Fabiana Parajara


SÃO PAULO - O dono da empresa Gatework, Evandro Deffune, acusada de oferecer vagas de empregos inexistentes em troca do pagamento de taxas de exame psicológicos, e mais cinco funcionários dele não têm direito à fiança, afirma o delegado Jair Vicenti, responsável pela prisão. Os seis foram presos em flagrante e são acusados de estelionato, crimes contra o consumidor e formação de quadrilha ou bando.

De acordo com o delegado, eles devem ser transferidos em breve para o Centro de Detenção Provisória do Belém, na zona leste da capital paulista. Os estelionatários foram presos nesta segunda-feira. Depois da denúncia de uma vítima, que mora na zona norte da capital, a polícia conseguiu um mandado de busca e apreensão. Ao chegar ao local, flagrando duas vítimas pagando pelas taxas.

- Foi muita sorte. Até o dono da empresa estava no local. Ele não costuma aparecer por lá, mas como chegou dos Estados Unidos no domingo, resolveu passar pela empresa - explica Vicenti.

De acordo com ele, para evitar denúncias, a Gatework mantinha uma grande rotatividade de funcionários. Dos 54 empregados que estavam no local, cerca de 80% não eram registrados, afirma o delegado. Além de Deffune, foram presos os diretores Bruno Segalla Neto, Elias Ventura dos Santos, Carlos Eduardo de Roma Vilela (que se apresentava como Guilherme para as vítimas), Aldomiro Boaventura Junior e a psicóloga Adriana Palomares.

- Outras pessoas que quiserem denunciar o esquema devem ir ao 78º Distrito Policial, que responde pela região em que a empresa atuava - diz o delegado, acrescentando que as pessoas nunca devem pagar por promessas de emprego.

- Dar garantia de emprego é proibido por lei. As agências sérias de recolocação profissional cobram um percentual do cliente depois que ele está empregado - afirma.

A Gatework e outras empresas que atuam da mesma forma costumam pegar currículos enviados a bancos de dados pela internet para chegar a novas vítimas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 2543 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal