Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

15/12/2007 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fundadores da Renascer ocultam bens com laranjas

Por: Lilian Christofoletti e Leandro Beguoci


Os fundadores da igreja Renascer em Cristo, Estevam e Sônia Hernandes, que estão presos nos Estados Unidos, usaram parentes, laranjas e empresas fictícias para registrar os bens pessoais do casal. Dos R$ 13,8 milhões em patrimônio levantados pela reportagem, pelo menos 72% estão em nome de terceiros.
Para o Ministério Público do Estado de São Paulo, que no ano passado acusou formalmente o casal na Justiça pelo crime de lavagem de dinheiro decorrente da prática de estelionato e falsidade, o patrimônio real é muito maior, atinge a cifra dos R$ 130 milhões.
O emprego de terceiros dificulta o rastreamento de bens. Os que foram identificados, estão bloqueados judicialmente.
Do patrimônio levantado pela Folha, duas fazendas, uma lancha, cinco carros e dois jet-skis estão registrados em nome de uma das empresas criadas pelo casal e que, segundo a Receita Federal, são fictícias, existem apenas no papel. Teriam sido abertas exclusivamente para a passagem de dinheiro.
Em outros casos, são os próprios fiéis da Renascer que surgem como donos de bens que são reconhecidamente do casal, como era o caso do helicóptero Bell Jet Ranger 206-B, de R$ 2,3 milhões.
No papel, o aparelho pertencia ao vereador e ex-PM Marcos Medeiros (PSDB), de Santo André. Na prática, era de uso exclusivo dos Hernandes. No Natal de 2005, o helicóptero caiu logo após deixar a família no haras de Atibaia (SP), matando o piloto.
Os bens mais valiosos do casa, como o haras avaliado em R$ 1,8 milhão, estão registrados em nome dos filhos, Fernanda Hernandes Rasmussem e Felippe Hernandes, o bispo Tide, ou de parentes próximos.
É o caso da antena de TV na avenida Paulista, avaliada em cerca de R$ 1,5 milhão. Após uma intensiva campanha de arrecadação de dinheiro entre os fiéis capitaneada pelo casal, a antena foi registrada em nome do bispo Tide.
Por outro lado, as empresas fundadas pelos Hernandes que se afundaram em graves problemas financeiros, com inúmeras dívidas, foram transferidas para o nome de fiéis.
Foi o que aconteceu com a RGC Produções, a "TV Gospel", que é a campeã do grupo em protestos judiciais por falta de pagamento. Fundada por Estevam e por parentes de Sônia, a empresa foi transferida para o nome do bispo Marcele Meleiros depois que as dívidas chegaram a R$ 5 bilhões.
A alteração societária não implicou em uma mudança na administração da TV, que segue nas mãos dos Hernandes. Desde a prisão do casal nos EUA, há quase um ano, a gestão ficou a cargo dos filhos.
Estevam e Sônia foram presos quando tentavam entrar nos EUA com US$ 56 mil não-declarados. Eles foram condenado pela Justiça norte-americana a 140 dias de reclusão em uma penitenciária, cinco meses de prisão domiciliar e dois anos de liberdade condicional por contrabando de dinheiro.
Além da Renascer, Estevam e Sônia fundaram a Igreja Internacional Renovação Evangélica, que é considerada de "fachada" pela Promotoria, teria sido criada para assumir as dívidas e protestos judiciais movidos contra a igreja Renascer.
A nova igreja foi registrada em nome do bispo Jorge Bruno, irmão do deputado estadual paulista José Bruno (DEM), também membro da Renascer. À Justiça, Jorge Bruno disse que a entidade foi criada para ser o braço internacional da Renascer.
Fora do país, o casal tem ainda uma casa de 400 metros quadrado em Boca Raton (Miami), avaliada em R$ 2,14 milhões, e os carros Mercedez modelo 230 Kompressor (cerca de R$ 138 mil) e Chrysler.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 393 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal