Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

14/10/2017 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PIB per capita do Brasil subiria 30% sem corrupção, diz estudo do FMI

Por: Natália Portinari


Segundo um estudo de pesquisadores do FMI (Fundo Monetário Internacional), o Brasil seria até 30% mais rico se suas instituições fossem menos corruptas.

O estudo, elaborado pelo economista Carlos Eduardo Gonçalves e outros, ainda não publicado, afirma que o PIB per capita do país (produto interno bruto dividido pela população) cresceria US$ 3 mil (R$ 9,6 mil) nessas circunstâncias.

Em 2016, o PIB per capita do país foi R$ 30.407, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os pesquisadores do FMI estimaram como seria se o Brasil tivesse condições mais próximas às do Chile, Costa Rica e Uruguai, considerados os países menos corruptos da América Latina.

Em 2014, o Fórum Econômico Mundial estimou que o custo da corrupção é de 5% do PIB mundial, ou US$ 2,6 trilhões.

"Existe um problema de ovo e galinha quando se estuda corrupção e renda", afirma Carlos Eduardo Gonçalves. "Os países que são mais ricos têm mais recursos para combater a corrupção, então é difícil isolar causa e efeito."

Para ajudar a entender a relação entre os dois, o estudo incluiu a medida da "heterogeneidade étnico-religiosa" de cada país, partindo da premissa de que, quanto maior a diversidade da população, maior a corrupção.

"Se um país é muito heterogêneo em várias dimensões, ele geralmente apresenta uma taxa mais alta de corrupção. Quando todo mundo é parecido entre si, é menos provável que um grupo tente roubar para favorecer os seus", afirma Gonçalves.

"Essa é uma variável bastante associada à corrupção", afirma Marcus Melo, cientista político. "Usando esse método, o estudo torna a estimativa mais precisa e menos sujeita a erros que resultam da heterogeneidade."

Outros estudos acadêmicos já concluiram que a corrupção aumenta quanto maior for a diversidade étnica, e alguns pesquisadores preferem entender essa medida como um indicador dos conflitos étnicos e raciais de um país.

QUESTÃO ESTATÍSTICA

A razão pela qual a "heterogeneidade da população" foi considerada no estudo foi o método estatístico. Ela foi usada como variável instrumental, que é algo que permite medir os efeitos de A (corrupção) sobre B (riqueza), quando B também influencia A.

Parte-se da premissa de que a heterogeneidade (C), a variável instrumental, tem relação com A (corrupção), mas não afeta diretamente B (riqueza).

Por exemplo, para calcular os efeitos do consumo de alimentos dietéticos (A) sobre o peso (B), há um problema: pessoas que consomem tais alimentos o fazem justamente porque estão acima do peso.

Para contornar essa margem de erro, o preço de alimentos dietéticos (C) pode ser uma variável instrumental, já que a única maneira de esses preços afetarem o peso das pessoas é pelo consumo de alimentos dietéticos.

Ou seja, o efeito que a variável instrumental (C) tem sobre B deve ocorrer exclusivamente via A.

Segundo os pesquisadores do FMI, a "heterogeneidade étnico-religiosa" de cada país é uma medida correlacionada com a corrupção, mas que não afeta diretamente o PIB.

O estudo não reflete necessariamente a opinião do Fundo Monetário Internacional.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 116 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal