Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

15/09/2017 - O Globo Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Notas de R$ 100 superam as de R$ 50 em falsificação após BC lançar novas cédulas

Por: Luís Guilherme Julião


A garoupa desbancou a onça-pintada no mundo da falsificação de dinheiro. É que, nos últimos anos, o número de notas falsas de R$ 100 retidas pelo Banco Central (BC) disparou, superando as de R$ 50 — até então preferidas pelos golpistas. A mudança de perfil começou após a entrada em circulação das novas notas de real, em 2010.

A segunda família do real, que tem tamanhos diferentes de acordo com o valor da cédula, começou a ser introduzida gradualmente pelo Banco Central em substituição às notas antigas como medida para aumentar a segurança. Porém, os falsificadores também estão migrando. Entre 2012 e 2016 mais de 45% das notas fraudadas retidas pelo BC eram da segunda família, que passou de uma participação de 29% para 83% no total de notas em circulação no período.

O gráfico a seguir mostra que, enquanto em 2006 foram retidas, em média, 353 notas falsas de R$ 50 para cada um milhão de cédulas desse valor em circulação, essa taxa caiu para 60 em 2016, sendo superada até pelas de notas de R$ 20. Por outro lado, a mesma taxa para as notas de R$ 100 subiu de 194 em 2006 para 306 no ano passado, com um pico em 2012.

A mudança na preferência dos falsificadores também se mostra na proporção de cédulas falsificadas. Pouco mais de 52% do total das notas falsas em 2010 era de R$ 50, enquanto as de R$ 100 representaram 19%. No ano passado esses valores se inverteram. As garoupas representaram 55% das falsificações, enquanto a onça-pintada caiu para 27%, considerando a primeira e a segunda famílias.

O Banco Central justificou esse aumento, em nota, dizendo que a proporção de notas de R$ 100 em circulação subiu de 11% para 14% desde 2012 e, por isso, é possível que a falsificação de notas desse valor também aumente "à medida em que sua participação no meio circulante cresça". Entretanto, no mesmo período, a participação das cédulas de R$ 50 no meio circulante também subiu, de 33% para 35%, mas a falsificação teve queda.

ADULTERAÇÕES PASSARAM DE R$ 35 MILHÕES EM 2016

Só no ano passado foram falsificados mais de R$ 35 milhões, considerando todas as notas. Isso significa que há em média R$ 1 falso para cada R$ 6,4 mil em dinheiro verdadeiro circulando. O valor absoluto apreendido vem aumentando nos últimos anos, mas o Banco Central destaca que, proporcinalmente, a falsificação caiu entre 2006 e 2010 e, desde então, segue uma tendência de queda ou estabilização.

É que apesar de o montante de dinheiro falso ter aumentado, a quantia de dinheiro verdadeiro em circulação também aumentou. O mesmo acontece em relação ao número de cédulas. Sendo assim, desde 2010 o índice calculado pelo BC mostra que há entre R$ 145 e R$ 185 falsos para cada R$ 1 milhão verdadeiro em circulação.

Quanto às ações de combate à falsificação, o Banco Central afirma que mantém desde 2006 um acordo de cooperação com o Departamento de Polícia Federal, "que prevê intercâmbio de informações e dados, para subsídio às ações de combate ao crime de falsificação levadas a efeito pelo DPF".

O órgão destaca também que "as notas falsas apreendidas e enviadas ao Banco Central são simulações, muitas vezes grosseiras, que não contemplam os principais elementos de segurança das cédulas verdadeiras (papel fiduciário, marca d’água, impressão em relevo, entre outros)". Para não cair no golpe, aprenda a reconhecer as notas de real:


Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 11 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal