Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

25/09/2017 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraudes em corretoras são ameaça a quem investe em criptomoedas

Por: Natália Portinari


Para evitar fraudes e calotes no mercado de criptomoedas, é importante saber com quem se negocia e quais os riscos associados a cada tipo de carteira de investimento.

As bitcoins e as moedas alternativas ("altcoins") não podem ser falsificadas, mas alguém pode obter a chave de segurança usada pelas corretoras para acessar as carteiras e roubar o dinheiro.

"A quantidade de pessoas tentando hackear [os sites] é gigantesca. A empresa precisa fazer um investimento em tecnologia muito grande para manter as contas seguras, e poucos têm capacidade para isso", afirma Rocelo Lopes, dono da corretora Coinbr.

Em 2013, um site brasileiro foi alvo de um ataque que secou as contas de 2.000 usuários. No ano seguinte, a Mt. Gox, de Tóquio, uma das maiores corretoras da moeda digital à época, com cerca de 70% das transações mundiais, suspendeu os negócios.

A empresa afirmou que cerca de 850 mil bitcoins de clientes, avaliados em US$ 450 milhões, tinham desaparecido e possivelmente haviam sido roubados. Cerca de 200 mil foram recuperados, mas o episódio nunca foi totalmente esclarecido.

Leonardo Pimenta, empresário de Vitória (ES), perdeu 25 bitcoins (mais de R$ 300 mil) com uma corretora.

"A moeda sumiu da minha conta. Em junho, chegou uma mensagem dizendo que eu tinha sacado. Fiz um boletim de ocorrência, mas não consegui recuperar o dinheiro."

Na última quinta-feira (21), a Polícia Civil do Distrito Federal prendeu 11 suspeitos de um esquema de pirâmide financeira que movimentou R$ 250 milhões em uma moeda virtual falsa, a "Kriptacoin". Foram 40 mil vítimas do golpe, informou a polícia.

"É importante não cair em conversa de empresas que oferecem retornos altíssimos, com formas suspeitas de negociação. Geralmente, elas estão usando o pretexto do bitcoin para vender vento virtual", diz Fernando Ulrich, consultor da área.

Estima-se que um terço das bitcoins estejam perdidas devido a desvios, o que corresponde atualmente a R$ 62 bilhões.

Para evitar corretoras pouco confiáveis, há formas alternativas e mais seguras de armazenar a senha de uma carteira de bitcoins, como na memória do computador, no celular ou até em um papel impresso, cada uma com prós e contras.

Lopes relata que um cliente da Coinbr decidiu usar o "paper wallet", um papel impresso com a senha. A folha estava no seu gaveteiro e foi descartada em uma faxina, o que gerou o prejuízo de aproximadamente R$ 1,7 milhão.

Também há problemas com a venda direta, de uma pessoa para outra ("P2P"), na qual a transação é feita com base na confiança. É recomendável procurar referências do nome da pessoa.

A investidora V. T., 36 anos, de Palhoça (SC), afirma que perdeu R$ 2 mil tentando comprar bitcoins de um perfil falso no Facebook, que se passava por um corretor e tomou seu dinheiro sem dar a contrapartida.

"As taxas de corretoras são altas, então decidi procurar um P2P. Fui ingênua, como todo mundo que cai em golpe, porque acreditei em quem não devia. De agora em diante, só uso as exchanges [corretoras]", afirma.

As empresas MinerWorld e D9 são suspeitas de esquema de pirâmide no Paraguai, investigadas pela agência local equivalente à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Nos Estados Unidos, GAW Miners e ZenMiners estão na mira das autoridades.

ONDE GUARDAR CRIPTOMOEDAS

Elas são armazenadas em carteiras, que têm senhas gigantes e muito difíceis de memorizar

PAPER WALLET

A senha de acesso às criptomoedas fica guardada em um papel
Desvantagem: Perder o papel, já que não há backup

HARD WALLET

A senha fica off-line, em um pen drive, por exemplo, ou em dispositivo específico para criptomoedas. Ledger e Trezor são as mais confiáveis
Desvantagem: no Brasil, o dispositivo específico custa mais de R$ 500

CARTEIRA ON-LINE

Uma corretora administra as senhas e contas de seus usuários
Desvantagem: A corretora pode sofrer um ataque, ou, se não for idônea, pode orquestrar um golpe

CARTEIRA MOBILE OU COMPUTADOR

A senha fica armazenada no smartphone ou no computador
Desvantagem: os aparelhos podem ser invadidos, ou o usuário pode esquecer que tem bitcoins e formatar o HD

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 117 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal