Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

24/12/2016 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Moeda venezuelana é matéria-prima para falsificar dólares

Por: Fabiano Maisonnave


Nas ruas venezuelanas, uma nota de 100 bolívares, a mais alta do país, vale apenas US$ 0,04 e não alcança nem sequer para um café na padaria. Nas mãos de falsificadores no exterior, porém, os bilhetes podem se transformar em até US$ 100.

A saída de notas de 100 bolívares foi a justificativa usada pelo presidente Nicolás Maduro para fechar as fronteiras com Brasil e Colômbia. Com o Brasil, o trânsito foi reaberto na segunda (19) para carros e, no dia seguinte, para pedestres.

Ao explicar a medida, Maduro disse que a Venezuela é vítima de "mãos de máfias vinculadas à direita" apoiadas pelo Departamento de Estado dos EUA, que estariam tirando o dinheiro em circulação para desestabilizá-lo e derrubá-lo do poder.

Os indícios, no entanto, sugerem que a motivação seja apenas criminal. Nos últimos meses, houve ao menos sete grandes apreensões de bolívares só no Brasil.

Quatro delas ocorreram em Roraima. A maior foi no dia 30 de março, em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela. Um palestino foi preso pela PM com 17,5 milhões de bolívares em notas de 100 escondidas no carro –o equivalente a 175 mil cédulas.

As outras ocorrências foram registradas em Guaíra (PR), Santa Terezinha de Itaipu (PR), ambas na fronteira com o Paraguai, e em Barra do Turvo (SP).

Na cidade paulista, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu, em dezembro de 2015, 3,91 milhões de bolívares em notas de 100 e 50. No câmbio paralelo, o valor equivale apenas a US$ 1.419.

O caso mais curioso é o de Santa Terezinha, onde a PRF encontrou, em setembro, 470 mil bolívares no carro de uma dupla sertaneja. Eles alegaram que receberam de um músico boliviano por um serviço prestado.

Procurada pela Folha, a Polícia Federal se recusou a comentar o uso de bolívares por falsificadores.

Um eventual uso para lavagem de dinheiro é, na prática, inviável. A moeda venezuelana é não-conversível, ou seja, não pode ser trocada legalmente por outra moeda.

Além disso, o bolívar vem se desvalorizando rapidamente: 60% nos últimos dois meses. O poder de compra é tão baixo que, em alguns estabelecimentos venezuelanos, as vendas são feitas pesando maços de bilhetes, tamanha a quantidade de notas necessárias para fazer compras simples, como de supermercado.

Segundo relatos da imprensa venezuelana, existe um grande comércio de notas de 100 na fronteira com a Colômbia. Em troca, o vendedor recebe 140 bolívares.

De acordo com peritos colombianos citado pelo jornal "El Tiempo", o bilhete venezuelano é ideal para a falsificação devido a seu baixo custo e por conseguir passar sem ser detectado em alguns tipos de teste de autenticidade.

Em março, o jornal "The Guardian" entrevistou um dos principais falsificadores de dólares do Peru, que usa notas de 10 bolívares para fabricar bilhetes de US$ 100.

No processo, explicou o falsificador, o bilhete é descolorido para que seja impressa a imagem de Benjamin Franklin (1706-1790).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 92394 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal