Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

17/11/2016 - Hoje em Dia Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia Civil prende três suspeitos por golpes imobiliários milionários em Belo Horizonte


A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) cumpriu mandado de prisão preventiva nesta quinta-feira (17) contra suspeitos de integrar uma associação criminosa por golpes imobiliários, que causaram um prejuízo estimado de R$15 milhões. Foram conduzidos Aloísio Santa Cruz Leonel, de 31 anos, sua esposa, Elisângela Ribeiro, 22, Alexandre Magno, 35, e Jonathan Pinto Magalhães, 20.

Após investigações, a PCMG descobriu que o grupo atuava em Belo Horizonte há, pelo menos, quatro anos. No entanto, a polícia só descobriu o esquema quatro meses atrás, quando apurava um assalto cometido em Contagem.

Na ocasião, Aloísio teria negociado a compra de um veículo Land Rover de um médico residente no estado do Paraná. A vítima conduziu o veículo daquele estado até Contagem, onde mostrou o automóvel a Aloísio. Aloísio teria então simulado um pagamento à vista, momento em que Alexandre e Jonathan, comparsas do suspeito, renderam Aloísio e a vítima. Após sete horas mantida como refém na própria casa de Aloísio, a vítima foi liberada. Dias depois o suspeito registrou o veículo em nome de sua esposa, Elisângela, como se a transação tivesse sido lícita.

O veículo foi apreendido e, a partir do reconhecimento da vítima da casa do suspeito, a Polícia Civil passou a monitorar Aloísio e descobriu na capital diversas denúncias contra o suspeito, envolvendo crimes de estelionato complexos que conduziram para a descoberta de todo o esquema.

Golpes

De acordo com a Polícia Civil, os golpes de Aloísio consistiam em enganar uma variedade de vítimas durante negociações imobiliárias. Geralmente, o suspeito se apresentava como empreiteiro interessado na compra de um imóvel para a construção de um edifício e convencia o proprietário do imóvel a realizar um contrato de permuta, pelo qual o proprietário se dispunha a receber como pagamento do imóvel uma cobertura no edifício.

Em seguida, Aloísio procurava uma pessoa interessada na construção de edifício e apresentava o contrato de permuta com a procuração do proprietário legal. Assim, o proprietário iniciava a construção no imóvel, enquanto Aloísio, sem a permissão do construtor, vendia os apartamentos na planta. Enquanto a construção não era finalizada, o suspeito buscava interessados na compra à vista de um apartamento e, após receber o primeiro pagamento, já vendia o mesmo imóvel para outros interessados, gerando, com isso, o registro de um mesmo imóvel por diferentes compradores. Para levar adiante o golpe, procurações e outros documentos eram forjados.

Quando as vítimas descobriam se tratar de um golpe e procuravam pelo suspeito, Aloísio usava de intimidações e ameaças, dizendo-se influente nos meios policiais e jurídicos.

Conforme o delegado Gustavo Barletta, responsável pelas investigações, o dom de Aloísio para articular as negociações e conquistar a confiança das vítimas sustentava o golpe até que fosse tarde a descoberta. “Ele é um indivíduo extremamente inteligente e articulado. Com a lábia ele era capaz de organizar esquemas fraudulentos que causaram prejuízos milionários”, ressaltou. Ainda de acordo com o delegado, já foram identificadas pelo menos 14 vítimas, mas a polícia suspeita que possam surgir ainda outras no curso das investigações. “Já tomamos as medidas para solicitar o bloqueio de bens do suspeito e tentaremos centralizar os inquéritos que correm contra ele em diferentes delagacias para identificar todas as vítimas”, informou.

Aloísio irá responder pelos crimes de estelionato, associação criminosa e roubo qualificado, cujas penas somadas podem chegar até 20 anos de prisão. Alexandre e Jonathan serão indiciados por roubo, enquanto Elisângela é investigada por possível lavagem de dinheiro, uma vez que grande parte do patrimônio de Aloísio se encontra em nome dela.

As investigações continuam, e a Polícia Civil acredita que pelo menos outras dez pessoas possam estar envolvidas com o grupo criminoso.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 156 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal