Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

25/10/2016 - Clic RBS / A Notícia Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Após fraude no Iprev, filha de pensionista morto pega cinco anos de prisão

Por: Claudine Nunes

Sentença em primeira instância estabelece pena em regime semiaberto. Defesa diz que vai recorrer.

Durante dez anos, um homem idoso, usando óculos e boné, comparecia à sede do Instituto de Previdência do Estado de Santa Catarina (Iprev), na rua Dona Francisca, em Joinville, fazendo-se passar por um pensionista que, na verdade, já havia morrido. Sem chamar a atenção, entregava aos atendentes a carteira de identidade e a certidão de casamento do falecido para realizar o recadastramento periódico, necessário para não interromper o depósito na conta de João José Perini. O pensionista morreu em 15 de agosto de 2002.

Terminava ali a participação do homem conhecido como Milton, cuja identidade e paradeiro continuam um mistério. Ele agia a mando de outras pessoas, que usavam o cartão e a senha da conta de João José para sacar a pensão todos os meses, e fizeram isso 135 vezes, de setembro de 2002 a outubro de 2012.

A investigação do Ministério Público chegou aos principais suspeitos de estarem por trás do esquema que gerou um rombo de R$ 414 mil: as duas filhas do pensionista e o marido de uma delas (já falecido). Ambas negaram participação, restava à Justiça montar o quebra-cabeça para identificar os responsáveis.

Na sexta-feira, o juiz da 2ª Vara Criminal de Joinville, Gustavo Henrique Aracheski, chegou ao desfecho do caso. Ele condenou uma das irmãs e absolveu outra. Liliane Perini foi condenada em primeira instância pelo crime de estelionato, com a pena de cinco anos, um mês e 20 dias de prisão em regime semiaberto. A sentença também estabelece a reparação dos danos, no valor de R$ 414,3 mil, além de multas e custas processuais. O advogado de defesa, Gilson Lisandro Schelbauer, disse que, assim que for intimado, entrará com recurso.

– Minha cliente não tem nada a ver com esse caso – afirmou.

A denúncia do esquema partiu do genro Paulo Emílio de Jesus, que chegou a morar com a família. Em depoimento à Justiça, ele disse que soube da fraude pela própria Liliane. O juiz também não tem dúvidas da participação da filha do pensionista.

– Todos esses elementos de convicção revelam de modo inequívoco que a partir de 15 de agosto de 2002, data em que faleceu o pensionista João José Perini (pai das acusadas), alguém, de posse dos seus documentos pessoais, reiterou o ardil de fazer-se passar por ele e, assim, induzir a erro os servidores do Iprev (Instituto de Previdência do Estado de Santa Catarina) no recadastramento anual a fim de permitir a continuidade dos pagamentos mensais da pensão até 2012. Está provado que a acusada Liliane teve participação direta neste esquema fraudulento, porém, não há a mesma segurança (apenas presunção) em relação à acusada Rita – escreve Aracheski.

A defesa colocou a culpa no marido de Liliane. Em depoimento, a acusada alegou que, depois da morte do pai, continuou com os saques porque o marido Walter Born (falecido) havia lhe dito que na condição de filha mais velha tinha direito de continuar a receber o benefício.

Na sentença, o juiz classificou a justificativa como frágil porque, mesmo desconhecendo a lei, há evidência de ilegalidade pelo fato de os pagamentos mensais não serem realizados no nome dela, mas no do pai, e pelo fato de a acusada não ter comparecido perante o órgão para promover a transferência.


Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 124 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal