Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

19/10/2016 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude no FGTS prejudicou 13 empresas de Pernambuco, diz PF

Por: Thays Estarque e Ricardo Novelino

De acordo com a polícia, o prejuízo a essas firmas chegou a R$ 3,4 milhões.Suspeitos de liderar organização criminosa foram presos nesta quarta (19).

A Polícia Federal em Pernambuco informou, na manhã desta quarta-feira (19), que a organização acusada de fraudes no saque do Fundo de Garantia Por Tempo de Serviço (FGTS) lesou 13 empresas de Pernambuco. O prejuízo a essas firmas chegou a R$ 3,4 milhões. Quando a corporação deflagrou a 'Operação Demara’, em 2015, descobriu que havia mais de 350 requerimentos com solicitações falsas de retirada dos recursos.

A PF revelou que a média de saques chegava R$ 10 mil. De acordo com a polícia, os líderes da organização, presos em Pernambuco, falsificavam documentos dos sócios e o contrato social das empresas. Assim, conseguiam retirar o certificado digital das firmas. Com esse certificado, os líderes cadastravam a empresa no sistema da Caixa Econômica Federal, banco responsável pelo pagamento do FGTS.

Com esse cadastro, eles poderiam informar um número ilimitado de demissões, mesmo que elas fossem falsas. Segundo a PF, o aliciado era chamado para ir até uma agência da CEF para assinar o termo de rescisão contratual, usando identidade e carteira de trabalho ilegais.

“Eles falsificavam os documentos pessoais dos sócios administradores dessas empresas para obter certificados fraudulentos", afirmou a delegada Kilma Kaminha. Os agentes federais apreenderam com os suspeitos carteiras de identidade, aparelhos de plastificação de documentos e nomes que poderiam ser usadas em futuras falsificações.

A fraude veio à tona a partir de uma prisão em flagrante. Essa pessoa estaria tentando sacar o FGTS e, por causa do nervosismo, acabou chamando a atenção da Caixa Econômica Federal. "Essa pessoa estava utilizando a documentação falsa. Quando a funcionária da Caixa entrou em contato com a empresa, ela informou que a verdadeira funcionária não havia sido demitida, que continuava trabalhando", disse o superintendente da PF em Pernambuco, Marcello Diniz.

A PF suspeita que os líderes da organização conseguiam dados dos alvos acessando os sistemas de informática. Os agentes acreditam que não há vínculo entre os funcionários dessas empresas ou da Caixa com a organização. A instituição e servidores foram vítimas da fraude.

Segundo a delegada Kilma Kaminha, a organização criminosa utilizava os dados dessas empresas e os documentos, contratos sociais legítimos, porém se passando por representante dessas firmas.
A Polícia Federal informou ainda que, caso seja comprovado que esses saques foram feitos de forma fraudulenta, a Caixa Econômica será responsável por esse ressarcimento para as contas dessas pessoas prejudicadas.

A Operação

A ação da PF desmontou um grupo suspeito de atuar nos estados de Pernambuco, Sergipe e Maranhão. A organização tentou resgatar mais de R$ 3 milhões em valores indevidos. O prejuízo financeiro aos cofres públicos confirmado, no entanto, já chega a R$ 800 mil. Quatro mandados de prisão e seis de busca e apreensão foram cumpridos.

Os dois líderes do esquema, segundo a PF, estavam no Aeroporto Internacional do Recife. Eles desembarcaram no terminal e vinham de São José dos Campos, no interior de São Paulo. Os federais também cumpriram seis mandados de busca e apreensão em Caruaru, no Agreste pernambucano, na UR-10, no Ibura, na Zona Sul do Recife, e no bairro de Afogados, na Zona oeste do Recife.

De acordo com a PF, grupo usava documentos falsos e informações indevidas enviadas à Caixa Econômica Federal, por meio do aplicativo web do Sistema Conectividade Social. Informava supostas demissões de empregados, envolvendo dezenas de empresas.

O nome

O nome da operação teve inspiração em Ferdinand Waldo Demara Jr. Conhecido como “O Grande Impostor”, o americano nascido em Lawrence, Massachusetts, adotou diversas identidades falsas, apresentando-se como médico de um navio, engenheiro civil, vice-xerife, assistente diretor de prisão, doutor em psicologia aplicada, advogado, editor, pesquisador de câncer e professor.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 127 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal