Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

10/04/2016 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia Federal indicia ex-chefe de fundo dos Correios

Por: Wálter Nunes


A Polícia Federal indiciou o ex-presidente do Postalis Alexej Predtechensky, conhecido como Russo, o operador do mercado financeiro Fabrizio Dulcetti Neves e outros cinco por suspeita de fraude de R$ 400 milhões em operações financeiras do fundo de pensão dos funcionários dos Correios.

Até 2015, a PF calculava o rombo em R$ 180 milhões, mas as investigações apontaram novas fraudes que dobraram o valor. O desvio acontecia em compras de ações superfaturadas e pagamento de taxas indevidas.

Os indiciados foram enquadrados por gestão fraudulenta e apropriação de dinheiro, entre outros. Para a PF, Russo e Neves eram os cabeças do esquema.

A investigação começou em 2012 quando o Finra (Financial Industry Regulatory Authority, sigla em inglês), órgão autorregulador do mercado financeiro americano, enviou ao Brasil informações sobre transações financeiras suspeitas feitas em Miami por uma administradora de valores de São Paulo.

A fraude consistia na compra de títulos do mercado de capitais por uma corretora americana, que os revendia por um valor superfaturado para empresas sediadas em paraísos fiscais ligadas aos investigados. Em seguida, os títulos eram adquiridos pelo Postalis com preço ainda mais elevado, chegando a ficar 60% acima do real valor de mercado. Também eram feitas operações em grandes quantidades para gerar taxas para as corretoras.

O destino final do dinheiro, segundo a Polícia Federal, era o bolso dos operadores e do ex-presidente do Postalis.

"As operações davam prejuízo ao Postalis. Depois, o dinheiro era desviado por meio de offshores em paraísos fiscais e, posteriormente, era apropriado pelos operadores do esquema", diz o delegado Milton Fornazari Junior, responsável pela investigação.

As operações deram a dimensão do enriquecimento dos indiciados, segundo a PF. A polícia cumpriu mandado numa mansão de Russo às margens do Lago Paranoá, endereço nobre de Brasília. Dulcetti mora numa casa em Miami e tem um apartamento de 1.000 m² no Morumbi.

VÍTIMAS

Os prejuízos do Postalis vão parar na conta dos 71 mil funcionários da ativa e 30 mil aposentados dos Correios.

Como o plano que paga as aposentadorias do fundo tem deficit de R$ 5 bilhões, o Postalis aprovou taxar em 17,9%, a partir de maio e com vigência prevista para 23 anos, a previdência dos beneficiários para reduzir o rombo.

O carteiro Francisco das Chagas Ribeiro, de 59 anos, aposentou-se há um ano, depois de 21 anos entregando correspondências em São Paulo. Na ativa, com os benefícios, ganhava por mês cerca de R$ 3.000. Atualmente seus vencimentos não passam dos R$ 2.000, sendo que R$ 300 deles são da previdência do Postalis.

"Eu já ganho pouco, não posso perder mais. É um absurdo eu ter que pagar pelo que esses caras fizeram", diz.

OUTRO LADO

O Postalis disse que "tem ação judicial contra os administradores e gestores do fundo no Brasil" e que o fundo tem todo o interesse de que os fatos sejam esclarecidos.

José Luis Oliveira Lima, advogado de Alexej Predtechensky, disse que o indiciamento do seu cliente é descabido e sem qualquer embasamento. Ele diz que seu cliente não praticou irregularidade enquanto esteve na presidência do Postalis e que, ao ter acesso ao relatório da PF, apresentará petição contestando os fundamentos da decisão. A defesa de Fabrizio Dulcetti Neves não atendeu aos telefonemas da Folha.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 477 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal