Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

16/05/2015 - Folha de São Paulo / New York Times Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude em importações provoca rombo bilionário na Venezuela

Por: William Neuman e Patricia Torres


Os cortadores de grama custaram US$ 12.300 -cada um. Depois vieram as máquinas de matar e eviscerar frangos, ao preço de US$ 1,8 milhão. Quando a polícia foi verificar, encontrou apenas um inútil amontoado de sucata enferrujada.

Houve também o caso dos empresários que cobraram US$ 74 milhões para importar substâncias químicas e outros produtos -mas quase nada chegou. Há anos a Venezuela tem um buraco em seus bolsos, um buraco enorme.

O complexo sistema cambial imposto pelo governo motiva os importadores a criarem esquemas exorbitantes, inflando muito o preço das mercadorias para poderem colocar as mãos nos dólares vendidos à taxa de câmbio mais baixa pelo governo.

Em seguida, eles simplesmente embolsam os dólares que o governo fornece, ou revendem uma parte do dinheiro com ágio no mercado negro.

Dessa forma, dezenas de bilhões de dólares que seriam necessários para a aquisição de importações vitais foram desviadas do Tesouro venezuelano, segundo as autoridades, mas a perda é especialmente dolorosa neste momento.

Com a forte queda no preço do petróleo, único produto de exportação relevante da Venezuela, o banco central local informou que as reservas em moeda estrangeira, essenciais para o comércio internacional e o pagamento de dívidas, atingiram o menor nível em quase 12 anos.

Venezuelanos à esquerda e à direita exigem que alguém seja responsabilizado por isso. "É escandaloso", disse Víctor Álvarez, um economista de esquerda. "É como o roubo ao qual nosso povo foi submetido na época da conquista e da colônia, quando o ouro e a prata eram levados embora às toneladas."

Hoje, com o país em uma profunda crise econômica marcada pela recessão, pela inflação galopante e pela escassez de produtos como leite, preservativos e xampu, os bilhões que sumiram fazem falta evidente. Muitas lojas têm prateleiras vazias, e as pessoas passam horas nas filas para comprar produtos básicos.

Edmée Betancourt, ex-presidente do banco central venezuelano, disse que até US$ 20 bilhões dos US$ 59 bilhões destinados às importações em 2012 desapareceram por causa de fraudes.

A consultoria econômica Ecoanalítica estima que US$ 69,5 bilhões foram desviados em fraudes de importação entre 2003 e 2012. De acordo com esse estudo, 20% das importações feitas por empresas privadas e 40% das importações realizadas por órgãos públicos foram falsas.

Os controles cambiais lançados em 2003 pelo então presidente Hugo Chávez estão no centro dessas armações. Economistas dizem que os controles estimulam as fraudes nas importações.

"Há muitos multimilionários da Venezuela graças a esse sistema", disse um importador de roupas, alimentos e medicamentos. Ele disse que costuma entregar apenas 10% do que declara importar oficialmente.

A Venezuela precisam importar alimentos, produtos básicos e matérias-primas para a fabricação de diversos itens. Mas os exportadores no exterior não querem negociar em bolívares, a moeda venezuelana. Exigem dólares ou outra moeda estrangeira, como euros.

Por isso, os importadores da Venezuela obtêm uma autorização do governo para importar um produto e em seguida solicitam à agência de controle cambial os dólares necessários para selar a compra.

Um importador pode adquirir oficialmente o dólar por 6,30 bolívares, para em seguida receber 280 por unidade da moeda americana no mercado negro. Os venezuelanos chamam essa operação cambial de "bicicleta", por ser capaz de girar indefinidamente.

"Na Venezuela, o seu negócio real não é a sua empresa", disse o importador. "É o que está por trás da sua empresa."

Ele explicou que é preciso pagar vultosos subornos, que podem chegar a centenas de milhares de dólares por contrato, em várias etapas do processo que leva à autorização para importar e à liberação dos dólares necessários.

Jesús Faria, membro da comissão que investiga as manobras de importação, disse que a sua comissão descobriu que mais de 250 empresas violaram a lei, e que "a promotoria tem centenas de empresas para avaliar e investigar".

"No entanto, não vi qualquer uma dessas empresas sendo punidas", acrescentou.

Tradução de RODRIGO LEITE

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 498 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal