Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

13/01/2015 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Conselho da Petrobras escolhe Elek Junior para diretor de Governança

Estatal formalizará a contratação nos próximos dias. Novo executivo foi diretor financeiro da Fibria Celulose.

A Petrobras informou nesta terça-feira (13) que seu Conselho de Administração aprovou em reunião a indicação de João Adalberto Elek Junior para o cargo de diretor de Governança, Risco e Conformidade, recém-criado pela estatal em meio a denúncias de corrupção envolvendo a estatal.

Os demais integrantes do comitê especial são a ministra aposentada do Supremo Tribunal Federal Ellen Gracie Northfleet e Andreas Pohlmann.

Segundo a estatal, a função é para "assegurar a conformidade processual e mitigar riscos nas atividades da companhia, dentre eles, os de fraude e corrupção, garantindo a aderência a leis, normas, padrões e regulamentos, internos e externos à companhia".

O diretor irá participar das decisões da diretoria da Petrobras. "As matérias a serem submetidas à deliberação deste colegiado deverão contar, necessariamente, com prévia manifestação favorável desse
diretor quanto à governança, gestão de riscos e conformidade dos procedimentos", diz a estatal.

A empresa diz que formalizará a contratação de Elek Junior nos próximos dias.

O conselho elegeu o novo diretor com base em lista tríplice de profissionais brasileiros pré-selecionados por meio de processo conduzido pela empresa Korn Ferry, especializada em seleção de executivos.

Para a criação do cargo, não será aumentada a quantidade de diretores da empresa, já que será substituida a posição de diretor da área internacional, de acordo com a estatal.

O mandato do novo diretor será de três anos, podendo ser renovado. "Sua destituição somente poderá ocorrer por deliberação do Conselho de Administração, com quórum que conte com o voto de pelo menos um dos Conselheiros de Administração eleitos pelos acionistas minoritários ou preferencialistas", diz a Petrobras.

O anúncio da criação do cargo foi feito no dia 17 pela presidente da empresa, Graça Foster. Segundo ela, a nova diretoria visa o "cumprimento de leis e regulamentos internos e externos".

“Não é exatamente o que faz a nossa gerência executiva de auditoria, é um passo além. Passa a fazer parte do colegiado. Há convivência maior dos processos da companhia, além de muitas outras participações, atuações e responsabilidade”, explicou Foster durante a divulgação de dados operacionais do terceiro trimestre de 2014, em conferência com analistas e investidores.

Trabalhos anteriores e formação

Segundo a Petrobras, o novo diretor foi diretor financeiro da Fibria Celulose, onde exerceu as funções de relações com investidores, controle e gestão de riscos e finanças.

Anteriormente foi diretor financeiro e de relações com investidores da operadora de telecomunicações NET. Também passou pelos cargos de diretoria executiva e financeira na operadora americana AT&T para o Brasil e América Latina, respectivamente. Além disso, o novi diretor trabalhou por 20 anos no Citbank, onde exerceu a posição de diretor financeiro na área de varejo.

É graduado em engenharia eletrônica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, MBA em Planejamento de Marketing pela COPPE-AD/UFRJ e pós-graduado pela Columbia Business School Mergers and Acquisitions.

Denúncias

A Petrobras está no centro das investigações da operação Lava-Jato, da Polícia Federal. O esquema, segundo a PF, foi usado para lavagem de dinheiro e evasão de divisas que, segundo as autoridades policiais, e movimentou cerca de R$ 10 bilhões. De acordo com a PF, as investigações identificaram um grupo brasileiro especializado no mercado clandestino de câmbio.

Os principais contratos sob suspeita são a compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, que teria servido para abastecer caixa de partidos e pagar propina, e o da construção da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, da qual teriam sido desviados até R$ 400 milhões.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 373 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal