Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

17/02/2014 - Tribuna Hoje Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Acusado de estelionato e diversos golpes em Maceió permanece preso

Desembargador levou em consideração os diversos crimes atribuídos a Esdras da Silva Fernandes.

O desembargador Sebastião Costa Filho, integrante do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), negou liberdade para Esdras da Silva Fernandes, acusado de estelionato em vários processos. A prisão preventiva mantida é referente ao suposto crime ocorrido em janeiro de 2013, quando Esdras teria aplicado um golpe em José Benedito Capitulino. A decisão é em sede de liminar.

A denúncia constante nos autos relata que o réu teria ludibriado a vítima, acertando a realização de uma reforma na residência de Benedito, mediante o pagamento adiantado de determinada soma de dinheiro. A reforma jamais foi executada pelo acusado, que passou a se esconder da vítima, visando obter a vantagem econômica sem o devido cumprimento da obrigação assumida.

Para a defesa, o acusado faria jus a concessão de habeas corpus por estar preso há mais de oito meses, sem que tenha havido ainda audiência de instrução e julgamento, o que configuraria constrangimento ilegal. O advogado destacou ainda que o réu teria bons antecedentes, além de residência e trabalho fixos.

Ao negar o pedido, o desembargador Sebastião Costa levou em consideração os diversos crimes imputados ao réu, conforme ressaltado pelo juiz de primeiro grau. Esdras da Silva responde por estelionato em outros três processos, além de outros três por crimes contra a administração pública praticados enquanto funcionário público, e um crime de trânsito.

“Ademais, não vejo como reconhecer neste caso, liminarmente, constrangimento ilegal por excesso de prazo, pois somente após as informações da autoridade coatora será possível verificar se a defesa teve parte em alguma delonga processual” fundamentou o desembargador na decisão, que está publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta sexta-feira (14).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 128 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal