Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

20/02/2014 - InfoMoney Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PF indicia Joesley Batista, do JBS, e Kátia Rabello por fraude financeira

Por: Lara Rizério

Joesley e ex-presidente do Banco Rural, além de outras treze pessoas, são acusados de realizar empréstimos cruzados entre instituições financeiras nas quais possuem participação.

SÃO PAULO - A Polícia Federal indiciou o dono da J&F, controlador do maior frigorífico do mundo, o JBS (JBSS3), e a ex-presidente do Banco Rural, Kátia Rabello, pela realização de empréstimos cruzados entre instituições financeiras nas quais possuem participação.

As operações envolveram empréstimos de R$ 160 milhões. A pena pode chegar até seis anos de prisão, além de multa. Foram indiciados, além de Kátia Rabello, outros representantes do Rural condenados por mensalão - Vinicius Samarane e José Roberto Salgado, além de Joesley Batista, controlador do J&F, e outras treze pessoas.

De acordo com os investigadores, eles participaram de uma sequência fraudulenta de operações financeiras e empréstimos bancários, de modo a burlar a legislação e realizar um aumento de capital do Banco Rural, conforme noticiado pelo jornal O Estado de S. Paulo na véspera.

A investigação da PF chamou a atenção para empréstimos feitos em datas muito próximas entre empresas dos dois grupos. O banco Rural teria emprestado R$ 80 milhões ao grupo J&F Participações e à empresa Flora Produtos Higiene e Limpeza, em dezembro de 2011. E, no mesmo dia em que as empresas do grupo J&F receberam os empréstimos em sua conta no Banco Rural, o dinheiro foi transferido às contas do Banco Original, que pertence à J&F.

De acordo com a PF, o dinheiro do Rural voltou tanto para as empresas ligadas a ele quanto ao próprio banco.

Vale ressaltar que, no documento obitdo pela Folha de S. Paulo, a PF avalia que tudo que leva a crer é que o interesse no Banco Rural nesta operação foi a obtenção de recursos pela controladora, a Trapézio, para um aumento de capital de R$ 65 milhões. Tanto o grupo J&F quanto a ex-presidente do Banco Rural negaram a realização de empréstimos cruzados.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 202 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal