Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

20/02/2014 - Correio do Estado / Folhapress Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Executivos não descartam corrupção


Uma pesquisa realizada pela KPMG revelou que mais de metade (62%) dos entrevistados acredita que sua empresa participaria de um ato de corrupção. O levantamento foi realizado com cerca de 500 altos executivos de empresas brasileiras.

Apenas 21% dos participantes afirmaram que a companhia para qual trabalham não se envolveria com atos de corrupção e 17% disseram não ter certeza.

O levantamento foi feito no começo de fevereiro por meio de uma pesquisa interativa, na qual a resposta era escolhida com o uso de um controle remoto. Os executivos, portanto, não foram identificados.

Entre os entrevistados, 33% afirmaram que sua empresa participou de um ato de corrupção nos últimos 15 meses.

Concorrência

Questionados se suas concorrentes praticam atos de corrupção, 60% dos executivos afirmaram que esse tipo de desvio ocorre com frequência e, para 25% dos entrevistados, esses atos são raros.

Apenas 5% dos entrevistados disseram não acreditar que atos de corrupção ocorram nas concorrentes.

"Aumentar os controles internos é a melhor maneira de minimizar os riscos de se deparar com casos de corrupção dentro da sua empresa", disse Geronimo Timerman, sócio da área forense da KPMG no Brasil.

Controles Internos

Ainda de acordo com o levantamento, apenas 7% dos casos de corrupção foram descobertos por meio dos controles internos. Em 22% dos casos, os mecanismos que ajudaram as empresas foram informantes internos e boatos, logo seguido das linhas telefônicas para denúncia (19%).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 302 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal