Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

13/02/2014 - Revista Consultor Jurídico Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Reclamação trabalhista não aceita análise de fraude a credores


A discussão de fraude contra credores não deve ser feita por meio de Reclamação Trabalhista, mas por meio de Ação Revocatória, que permite o reconhecimento de nulidade do negócio jurídico que levou o devedor à insolvência, respeitando assim o artigo 161 do Código Civil. Com base neste entendimento, a Subseção II Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho acolheu Recurso Ordinário de uma empresa calçadista e suspendeu a penhora de bens transferidos à empresa antes do ajuizamento de uma Reclamação Trabalhista.

A reclamação foi feita à Vara do Trabalho de Pará de Minas (MG) por uma professora contra uma escola de Nova Serrana (MG). Ela pedia o pagamento de diversas verbas trabalhistas, alertando que a escola já havia sido desativada. Quando isso ocorreu, segundo a mulher, a proprietária do colégio transferiu os imóveis de sua propriedade ao seu procurador, precavendo-se contra futuras execuções trabalhistas. O procurador, de acordo com a petição inicial, vendeu os bens para a empresa calçadista, que pertence a seu irmão, o que caracterizaria tentativa de fraude à execução.

Em primeira instância, o pedido de desconsideração das vendas foi rejeitado, sob a alegação de que a transferência prévia à apresentação da reclamação não caracterizava fraude. Houve Agravo de Petição ao Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, que reconheceu a nulidade dos negócios entre a proprietária e e o procurador e, posteriormente, a venda feita por ele à empresa. A calçadista apresentou Ação Rescisória, pedindo em caráter liminar a suspensão da execução e, na análise do mérito, a rescisão da decisão do TRT-3. A empresa argumentava que não tem qualquer envolvimento na relação jurídica entre o centro de educação e a professora. O pedido foi negado pelos desembargadores, dando origem a novo recurso ao TST.

Relator do caso junto à SDI-2, o ministro Emmanoel Pereira afirmou que a professora deveria ter adotado a Ação Revocatória para discutir a tentativa de fraude, e não a Reclamação Trabalhista. Por entender que houve violação dos artigos 114 da Constituição Federal, 159 e 161 do Código Civil, ele votou pela rescisão do acórdão do TRT-3, restabelecendo a sentença que indeferiu a penhora de bens transferidos antes do ajuizamento da reclamação. O voto do relator foi acompanhado pelos demais integrantes da subseção.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 171 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal