Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

12/02/2014 - Olhar Digital Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Facebook rebate acusação de fraude nos likes

Por: Leonardo Pereira


O Facebook foi acusado de fraude publicitária por supostamente vender likes de perfis falsos aos anunciantes, mas, em contato com o Olhar Digital, a rede social rejeitou haver qualquer problema com seu modelo de negócios.

A polêmica começou na segunda-feira, 10, quando Derek Muller, que comanda um canal educativo sobre ciência e tecnologia no YouTube, publicou um vídeo detalhando como a rede social estaria usando "fazendas de likes" para aumentar a audiência das páginas sem, no entanto, ajudar os anunciantes a ter mais engajamento.

Situação semelhante foi notícia em 2012, quando a BBC fez testes e descobriu que, de fato, ao comprar publicidade do Facebook os anunciantes atraíam multidões de curtidas falsas. Tal descoberta forçou o site a fazer uma varredura que resultou na exclusão de 83 milhões de contas falsas. Também houve o caso do Departamento de Estado dos Estados Unidos, que gastou US$ 630 mil para comprar 2 milhões de likes mas só aumentou seu engajamento em 2%.

Para Camila Fusco, que comanda as comunicações do Facebook no Brasil, esses exemplos são inválidos, à medida que tratam de uma realidade que não existe mais. De acordo com ela, nos dois anos que se passaram a empresa criou formas de combate aos perfis falsos, que são relativamente fáceis de se identificar.

"Quando você se registra, começa a criar um ecossistema no Facebook, e uma pessoa que não é real não cria um ecossistema sólido. Não se relaciona, mas curte um monte de páginas", explica ela, ressaltando que usuários tendem a conversar pelas mensagens privadas e, quando não há esse tipo de comunicação, provavelmente o perfil é falso.

O Facebook afirmou ainda que as teses de Derek Muller são frágeis, pois não faz sentido para a rede vender likes sem engajamento. Ao encorajar a prática o site faria com que o anunciante ficasse sem ver os resultados desejados, o que o levaria a desistir do Facebook.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 147 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal