Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

04/02/2014 - Extra Alagoas Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Quadrilha condenada por corrupção monta construtora de olho em verbas federais

Ex-prefeito de Traipu, Marcos Santos, e filho planejam negócios nas prefeituras; já emplacaram uma unidade de saúde.

Especialista em criar construtoras que acumulam problemas no Tribunal de Contas da União e bastante conhecidas pela Polícia Federal, o filho do ex-prefeito de Traipu- Marcos Santos- Marcos Douglas Medeiros dos Santos, está preparado para assumir o trono do pai- preso cinco vezes por agentes da PF e acumulando desvios de R$ 15 milhões dos cofres públicos, só em recursos federais, dinheiro evaporado dos cofres da miserável Traipu.

Marquinhos ganha muito dinheiro com um negócio cada vez mais comum em Alagoas: abertura de construtoras. O pai também usou o mesmo expediente e virou ficha suja na política. Condenado pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região, o voto em Marcos Santos é nulo, se ele decidir disputar algum cargo público.

Ele havia sido descoberto e condenado à prisão em uma investigação do Ministério Público Federal (ver detalhes mais abaixo), na Operação Carranca. Mesmo assim, o herdeiro de Marcos Santos promete virar o mais novo chefe da família e engordar os negócios com sua mais nova empresa: a MDM dos Santos Engenharia – EPP, as iniciais de Marquinhos. Pelos registros da Junta Comercial, esta é a terceira empresa registrada em nome de Marcos Douglas: as outras são a Construtora Barbosa e Incorporação LTDA e a Meca Construções e Comércio LTDA.

O incrível nestas duas empresas? Elas estão localizadas no mesmo endereço, a praça Coronel Netto, no Centro de Traipu. E funcionam como duas empresas diferentes.No caso da MDM, ela começou a funcionar em 4 de abril de 2013. Está registrada no bairro Alto do Cruzeiro, em Arapiraca, longe de Traipu. Marquinhos usa um expediente curioso na abertura de empresas: tanto a Barbosa quanto a Meca tem um sócio: José Augusto Martins Barbosa. Em ambas, ele tem apenas 3% da sociedade.

Os outros 97% são do filho do ex-prefeito.Na Receita Federal, a empresa de Marquinhos é registrada em 20 atividades diferentes, entre elas: obras de terraplanagem, aluguel de máquinas agrícolas, comércio de material de construção, atividades de apoio à agricultura, irrigação, transporte de passageiros...

Sem sócios

A MDM é de natureza jurídica individual, ou seja, não tem sócios. É uma empresa de pequeno porte que promete crescer graças às conhecidas habilidades da família Santos: desclassificada em licitações de prefeituras no interior, a MDM acaba de abocanhar um contrato na gestão do prefeito Antônio Avânio Feitosa, na cidade de Belo Monte: a construção de unidades básicas de saúde, no Povoado Olho D’Água Novo. Custará R$ 250.755,71.O filho do Barão de Traipu também tem um contrato para a manutenção da rede viária de Belo Monte. No final do ano passado recebeu um aditivo de R$ 65.688,75 mais outro de R$ 67.830,00, neste mês de janeiro.

Entre as justificativas, um acréscimo de 25% nas horas de locação das máquinas (motoniveladora e pá carregadeira).Há razões para se desconfiar dos negócios de Marquinhos: em 29 de maio de 2012, Ricardo Fahr Pessoa, do Tribunal de Contas da União em Alagoas, convocou audiência para apurar indícios de fraude na construção de uma unidade básica de saúde no Povoado Riacho da Jacobina, em Traipu. Alvo? O pai, Marcos Santos.

A representação alagoana do TCU fez uma lista com 10 problemas, entre eles: as construtoras da licitação eram ligadas ao ex-prefeito, tinham o mesmo contador, estavam em cidades diferentes e foram constituídas no mesmo dia. Além disso: a Controladoria Geral da União apurou que estas empresas não estavam nos endereços especificados, todas eram gerenciadas por Marcos Santos, quando secretário de Administração de Traipu- o material havia sido apreendido pelos agentes da Policia Federal (planilhas para montagem das propostas de preços, certificados de regularidade do FGTS, INSS e dívida ativa da União, notas fiscais e carimbos).

Há dois anos, Marquinhos e Marcão foram condenados a 19 anos de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Crimes: de Responsabilidade, Fraude à Licitação, Corrupção Ativa, Lavagem de Dinheiro e Formação de Quadrilha.Marquinhos se associou ao pai- dizem as investigações da Polícia Federal, complementadas pelo MPF e CGU- para “a prática de crimes, centralizando os procedimentos para determinar o rumo dos negócios das empresas envolvidas nas licitações fraudadas”, explica o processo.

Destaca a condenação: Marquinhos usava “material barato nas obras públicas do município de Traipu” e alterava projetos e planilhas orçamentárias para aumentar os lucros nas obras.O esquema tinha participação ativa da Meca Construções e Comércio Ltda- a mesma construtora que funciona no lugar de outra, a Barbosa e Incorporação, ambas de Marquinhos.

Álbson Pimentel- funcionário da Meca e também condenado à prisão “foi contratado como responsável técnico pela fiscalização e responsável pela elaboração do projeto e execução dos serviços de construção de um portal na cidade de Traipu, sendo também contratado como responsável técnico pela elaboração do projeto de implantação da rede de abastecimento d’água na referida cidade. Álbson foi condenado a 1 ano e 6 meses de reclusão e a 3 anos e 6 meses de detenção”, descreve a condenação- comprovando o objetivo do filho de Marcos Santos ao constituir construtoras: lucro fácil, material de péssima qualidade na obra e decorar a cartilha do pai.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 267 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal