Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

10/12/2013 - Portal Terra / Deutsche Welle Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fabricante pega 4 anos de prisão por fraude em implantes de silicone

Silicone industrial era utilizado na fabricação de implantes mamários da empresa PIP. O produto pode se romper e causar infecções e irritações. Mais de 300 mil mulheres no mundo compraram as próteses.

Dois anos após o escândalo internacional das próteses de silicone de baixa qualidade importadas da França, o fundador da empresa Poly Implant Prothèse (PIP), Jean-Claude Mas, 74 anos, foi condenado nesta terça-feira a quatro anos de prisão. Ele foi acusado de fraude e de enganar conscientemente seus clientes durante anos.

Além da prisão, o tribunal de Marselha condenou o fundador da PIP a pagar uma multa de 75 mil euros e o proibiu de voltar a exercer cargos de gestão empresarial ou trabalhar no setor médico. Outros quatro ex-funcionários da empresa, incluindo o diretor do departamento financeiro, foram condenados com sentenças de variam de um ano e meio de liberdade condicional e três de prisão.

Todos os acusados admitiram que sabiam que as próteses eram preenchidas com um silicone industrial mais barato, diferente do produto declarado oficialmente, para obter lucros avaliados em um milhão de euros por ano. Mas eles afirmam, com exceção de um, que ignoravam os riscos à saúde.

Mas pediu desculpas às vítimas e continuou afirmando que o produto não é nocivo. Esse material vinha sendo usado desde 2001 na fabricação dos produtos da empresa. Pelo menos 300 mil mulheres no mundo possuíam implantes mamários fabricados pela PIP. No Brasil, cerca de 25 mil deles haviam sido comercializados.

Silicone industrial

Segundo um ex-funcionário da empresa, a economia não era feita somente com o gel de silicone usado para o preenchimento das próteses, mas também nas bolsas dos implantes. Em 2010, a comercialização desse produto foi proibida na França, devido ao alto índice de ruptura.

O último balanço da agência francesa de produtos de saúde registrou a ocorrência de mais de 7.500 rupturas e três mil efeitos secundários nocivos, principalmente reações inflamatórias.

A PIP chegou a ser a terceira maior fabricante de implantes mamários do mundo, mas faliu em 2010, quando o governo francês determinou um recall dos implantes. Em dezembro de 2011, o escândalo se tornou conhecido mundialmente, após autoridades da França recomendaram a retirada dessas próteses para as 30 mil mulheres no país que possuíam esse produto, pois eles poderiam se romper e causar infecções e irritações.

No Brasil, a comercialização das próteses PIP foram suspensas em 2010, após o governo francês divulgar informações sobre a possível fragilidade e a possibilidade de rompimento do produto.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 133 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal