Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

12/12/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PF indicia ex-assessor de ex-prefeito por fraudes em Corumbá, MS

Operação Cornucópia apura supostos desvios de dinheiro público. Ex-assessor de prefeito prestou depoimento mas não falou com a imprensa.

A Polícia Federal indiciou a oitava pessoa por envolvimento no suposto desvio de dinheiro público em Corumbá (MS), nas investigações da Operação Cornucópia, deflagrada em conjunto com o Ministério Público Estadual. Reportagem do Bom Dia MS desta quinta-feira (12) mostra que Claudio Bravo, ex-assessor direto e sobrinho do ex-prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT), prestou depoimento na última quarta-feira (11) e saiu da delegacia no carro do advogado, sem falar com a imprensa.

Além de Bravo, também foram indiciados o ex-gerente de Recursos Humanos, Wilson Fernandes Pereira, e servidores que trabalhavam diretamente com o ex- prefeito, como o ex-chefe de gabinete Luciano Silva de Oliveira e os ex- assessores Rubens Ney Martinez de Moraes e Ênio Castelo, atualmente vereador pelo PT. Outros três indiciados não tiveram os nomes e cargos divulgados pela PF.

O suposto esquema envolve fraude às folhas de pagamento para a contratação de empréstimos consignados na prefeitura de Corumbá. Segundo o delegado Alexandre do Nascimento, responsável pelas investigações, os indiciados devem responder pelos crimes de formação de quadrilha, peculato, corrupção passiva, falsidade ideológica e uso de documento falso.

A polícia investiga ainda outra suposta irregularidade encontrada nas folhas de pagamento dos servidores envolvidos no esquema dos empréstimos consignados. Quem emprestava o dinheiro não era o banco, e sim a prefeitura, e as parcelas eram pagas com o dinheiro público, de acordo com as apurações. Para a PF, cerca de 30 servidores do primeiro e segundo escalão da prefeitura emprestaram cerca de R$ 2 mil em fevereiro de 2012.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 95 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal