Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

07/12/2013 - Portal Exame Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Após escândalos, banco do Vaticano fecha centenas de contas

Por: Diogo Max

Trata-se da primeira mudança pró-transparência nos 71 anos de história do banco da Igreja Católica.

São Paulo – O banco do Vaticano está fechando centenas de contas depois da pressão das maiores instituições financeiras do mundo para se livrar de penalidades de autoridades europeias, segundo reportagem publicada, neste sábado, pelo Financial Times (FT).

Trata-se da primeira mudança pró-transparência nos 71 anos de história do banco da Igreja Católica.

A investigação do FT durou 11 meses e revela a falta de transparência e a má gestão do banco do Vaticano, características que dão margem para interpretação de que o Instituto para Obras de Religião (nome oficial do banco) estaria ligado com lavagem de dinheiro da máfia italiana.

Deutsche Bank, JPMorgan e UniCredit estão entre os grandes bancos que se recusaram a prestar serviços financeiros ao longo dos últimos dois anos ao Vaticano. Essa pressão, uma consequência do aperto feito por autoridades europeias, fez com que a Igreja Católica sacudisse o banco para retirar potenciais lavadores de dinheiro e fraudes fiscais.

O banco do Vaticano foi considerado por um órgão do Conselho Europeu como um dos piores em quesito de transparência, há dois anos atrás.

Segundo o FT, poucos documentos eram usados para controlar o fluxo de caixa do banco. Existia um complexo sistema de "proxies", que permitia a representantes realizarem transações, em nome dos titulares das contas. Foi dessa forma, que, segundo o jornal britânico, foram enviados dinheiro secretamente para grupos cristãos em Cuba e no Egito.

Ainda de acordo com o FT, as mudanças no banco do Vaticano começaram com o então papa Bento XVI. Este processo foi acelerado pelo papa Francisco desde sua eleição, em março.

Em junho deste ano, um clérigo sênior, monsenhor Nunzio Scarano, foi preso por supostamente agir como intermediário em transações do Vaticano, tornando-as difíceis de rastrear. Ele estaria transferindo dinheiro em nome de pessoas que conhecia, incluindo uma família de proprietários de navio da região de Nápoles.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 198 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal