Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

25/11/2013 - Cenário MT Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PF investiga suspeita de envolvimento de magistrado em crimes em MT

Segunda fase da Operação Ararath foi deflagrada nesta segunda-feira. TRF expediu mandados devido à suspeita de envolvimento de magistrado.

A Polícia Federal cumpre nesta segunda-feira (25) sete mandados de busca e apreensão em Cuiabá em uma investigação relacionada a crimes contra a administração pública e lavagem de dinheiro. Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região no curso do inquérito judicial decorrente da Operação Ararath, deflagrada no dia 12 de novembro.

Segundo a assessoria da PF, a investigação tramita no Tribunal federal devido ao possível envolvimento de magistrado no esquema. No entanto, o nome do magistrado não foi divulgado e o processo segue em segredo de Justiça.

Na primeira fase da Operação Ararath, a Polícia Federal cumpriu 11 mandados de busca e apreensão em Cuiabá, Várzea Grande e Nova Mutum durante a investigação de um esquema de crimes financeiros e lavagem de dinheiro por meio de factorings de fachada. Durante a operação foram apreendidos R$ 325 mil em duas casas de suspeitos.

Segundo a PF, o esquema começou a ser investigado em 2011 e durante os trabalhos foi identificado que o grupo usava as factorings como fachada para a concessão de empréstimos a pessoas físicas e jurídicas do estado, por meio de uma empresa com sede em Várzea Grande, que encerrou as atividades no ano passado.

Porém, as empresas não tinham autorização do Banco Central para a concessão de empréstimos, bem como para exigir garantias e exercer qualquer atividade de institutição financeira. O dinheiro era movimentado nas contas das factorings e de outras empresas dos integrantes do esquema, entre elas de uma rede de postos de combustíveis de Cuiabá. Em seis anos, foram movimentados mais de R$ 500 milhões, conforme a polícia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 134 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal