Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

26/11/2013 - Portal Terra Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Acusado de idealizar fraude apresenta atestado e não é ouvido pelo MP-SP

Por: Vagner Magalhães

Promotor diz que mesmo assim, até a próxima segunda-feira, apresentará ação contra o auditor.

O promotor do patrimônio Público e Social, César Dario Mariano, afirmou nesta terça-feira que o auditor Amilcar José Cançado Lemos, apontado como o idealizador do esquema de corrupção que causou prejuízo de até R$ 500 milhões aos cofres públicos - no recolhimento do Imposto sobre Serviços (ISS) da prefeitura de São Paulo - apresentou um atestado médico e deixou de ser ouvido nesta terça-feira, como estava previsto.

"Ele afirmou que esteve internado até ontem e pediu adiamento da audiência, alegando que não tinha como comparecer. Provavelmente ele não será ouvido, já que eu tenho prazo para propor a ação. Se eu não propuser essa ação até segunda-feira, os bens que estão bloqueados são liberados. O prazo é de 30 dias para propor essa ação por improbidade administrativa", afirmou Mariano.

O promotor disse que estanhou a ausência de Amilcar, que já havia se ausentado quando foi chamado a primeira vez para dar a sua versão. "Ele teve oportunidade de se defender. Foram dados 10 dias para ele se manifestar. Ele já sabia dessa ação desde que eu fiz a busca e apreensão de documentos na casa dele. E por algum motivo ele não ofereceu defesa. Foi juntado um atestado médico de que ele compareceu a um hospital para fazer uma série de exames e foram dados quatro dias de descanso para ele. Ele teve duas oportunidades para se defender."

O promotor disse que, nesta terça-feira, duas novas empresas, além das seis investigadas, apareceram em documentos analisados. "Cada vez estão aparecendo mais empresas. A coisa está dando em galho. É preciso ver se houve redução de tributo. Se houve, serão duas empresas a mais. São documentos entregues pelo próprio (fiscal) Luiz Alexandre Cardoso Magalhães, também investigado".

Sobre a possibilidade de os investigados terem contas no exterior, ele disse que ainda é precipitado avaliar. "Vamos buscar. Temos instrumentos para buscar. Isso leva tempo. Não é de uma hora para outra."

Para o promotor Roberto Bodini, os documentos encontrados na casa de Luiz Alexandre não são atestados de idoneidade das empresas. "Encontramos alguns documentos referentes a empresas na casa do Luís Alexandre. É normal, trabalha com isso. Não quer dizer que todas estariam envolvidas com corrupção. Precisamos fazer uma análise mais profunda. São notas fiscais, certidões de quitação", disse ele.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 148 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal