Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

31/10/2013 - O Estado de Minas Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Pirapora paga a conta dos desvios de ex-prefeito

Por: Maria Clara Prates

Ministério do Turismo reprova contabilidade das festas feitas pelo ex-prefeito de Pirapora Warmillon Braga e cobra da atual gestão a devolução dos recursos.

Os desmandos do ex-prefeito de Pirapora Warmillon Braga – hoje preso na Penitenciária Nélson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte – têm preço e a conta começa a ser apresentada à população da cidade. O Ministério do Turismo está cobrando o ressarcimento de R$ 1,395 milhão referente apenas a três convênios, de 2010, para realização de festas na cidade. Ironicamente, uma delas recebeu o nome de Natal Feliz. Nenhuma das prestações de contas apresentadas pela administração foi aprovada, de acordo com o Ministério do Turismo, que repassou R$ 200 mil para a Micareta, R$ 300 mil para o evento Forrozando, além de outros R$ 500 mil para o Natal Feliz. A conta salgada teve o acréscimo de correções no valor de quase R$ 400 mil, atualizadas até o mês passado, aprofundando a crise do caixa municipal, conforme correspondência do governo federal à advogada Myrian Figueiredo, autora das denúncias de irregularidade.

Os convênios para festas são definitivamente o calcanhar de aquiles do ex-prefeito, que está preso preventivamente também em razão do gasto de mais de R$ R$ 2.577,9 milhões para a realização do evento que comemorou o centenário de Pirapora. Warmillon Braga foi preso em 2 de julho, durante a Operação Violência Invisível, desencadeada pela Polícia Federal e Procuradoria da República, para pôr fim a uma sangria de mais de R$ 70 milhões por meio de fraudes em licitações, como ocorreu com as festividades dos 100 anos da cidade. Foi exatamente uma fraude em concorrência para coleta de lixo em Pirapora que forneceu a pista para desfazer o megaesquema de fraude.

Colecionador de mais de 100 processos por improbidade administrativa, o político ganhou fama e fortuna como prefeito profissional e itinerante das cidades de Lagoa dos Patos e Pirapora. Ele já se preparava para disputar a mesma cadeira em Montes Claros, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a prática ilegal. Diante da impossibilidade de nova administração, Warmillon sonhou com uma cadeira na Assembleia Legislativa e acreditava que seria o deputado mais votado em Minas. Hoje na penitenciária de Contagem, Warmillon não quer retornar à cidade que administrou nem mesmo para acompanhar as acusações contra ele. Alega grande desgaste físico. Com três mandados de prisão expedidos contra ele, o retorno à vida política fica mais distante.

Delinquência

Ao negar habeas corpus ao ex-prefeito no processo que apura a falta de licitação para a contratação de músicos para a festa do centenário, o desembargador Flávio Batista Leite foi duro com Warmillon e afirmou: “Ele é vezeiro na delinquência”. E foi ainda mais longe: “Além de responder ao processo que deu causa à prisão preventiva que aqui se busca desconstituir, no qual é acusado de fraudar licitação para contratação (superfaturada) de diversos artistas nacionais renomados para o show de comemoração do aniversário da cidade, o paciente, que foi prefeito por duas vezes de Lagoa dos Patos (1997/2004) e por duas outras vezes de Pirapora (2005/2012), ambos mineiros, coleciona uma vasta gama de processos criminais e por improbidade administrativa e ainda é investigado em vários inquéritos policiais”.

O político recebeu ainda um puxão de orelha do desembargador: “E os delitos em tela não causam só a perturbação da ordem pública, mas, também, na medida em que solapam o patrimônio público, causam prejuízo direto à população, que se vê à míngua dos serviços públicos de saúde, educação, saneamento, etc., cujos recursos são, em tese, diuturnamente arrebatados por administradores corruptos.

O Estado de Minas entrou em contato com a Prefeitura de Pirapora e foi encaminhada para falar com o secretário de Planejamento, Célio César, que não atendeu à ligação nem retornou, apesar de informado sobre a demanda.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 96 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal