Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

18/10/2013 - Âmbito Jurídico Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Acusado de fraude à licitação, ex-diretor do BRB não consegue trancar ação penal


O ex-diretor do Banco de Brasília (BRB) Paulo Menicucci Castanheira não conseguiu trancar a ação penal instaurada contra ele. Condenado por violar a Lei de Licitação (Lei 8.666/93) em contrato para implantação e manutenção de serviços de informática firmado com a empresa FLS Tecnologia S/A, Castanheira teve o seu recurso em habeas corpus negado pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Ao pedir o trancamento da ação penal, a defesa do ex-diretor alegou inépcia da denúncia e ausência de justa causa para o processo, porque ele apenas teria dado um parecer técnico sobre a viabilidade do serviço contratado, sem nenhuma influência na suposta fraude à exigência de licitação, imputada à diretoria do banco.

Além disso, alegou ofensa ao princípio do devido processo legal, pois o magistrado processante abriu prazo para o Ministério Público se manifestar sobre a resposta à acusação, o que entendeu ser vedado, pois a defesa sempre tem o direito de falar por último no processo penal.

Indícios suficientes

Em seu voto, a relatora do recurso, ministra Laurita Vaz, destacou que a denúncia descreve que o ex-diretor agiu dolosamente para a contratação de empresa com dispensa de licitação, fora das hipóteses legais, sendo, portanto, dispensável a descrição minuciosa e individualizada de sua efetiva contribuição para o delito.

“A exordial narra a conduta delituosa de forma a possibilitar o exercício da ampla defesa, restando, pois, reservado para a instrução criminal o detalhamento mais preciso de seu proceder”, ressaltou a relatora.

De acordo com a ministra, a alegação de falta de justa causa para a ação penal por
atipicidade da conduta – uma vez que não haveria nexo entre a conduta do réu e a fraude perpetrada – só poderia ser examinada mediante minucioso exame das provas do processo, sobretudo “porque ele autorizou diretamente o ato supostamente ilegal, como membro da diretoria colegiada da instituição financeira”.

Quanto à abertura de vista para o MP, após o oferecimento da resposta à acusação prevista no artigo 396 do Código de Processo Penal, a ministra afirmou que o procedimento não acarreta nulidade processual, principalmente quando não demonstrado nenhum prejuízo à defesa.

O caso

Segundo a denúncia, a empresa Cartão BRB S/A (administradora dos cartões de crédito do BRB, que detém 45% de suas ações) foi usada indevidamente para permitir que o banco estatal se furtasse de seguir as regras de licitação. Mediante convênios entre o BRB e a Cartão BRB, esta última contratava empresas sem licitação para que prestassem serviços ao banco.

“A Cartão BRB S/A contrata formalmente (sem licitação) a empresa que bem entender e pelo preço que lhe convier. A empresa contratada, por sua vez, presta o serviço diretamente ao banco BRB, apesar de ter sido formalmente contratada pela Cartão BRB. O Banco de Brasília, todavia, é quem arca com os custos dos serviços, repassando dinheiro ao Cartão BRB”, descreveu a denúncia.

Na condição de diretor de Relações com o Mercado do BRB, Paulo Menicucci Castanheira – ainda de acordo com a denúncia – foi um dos responsáveis pela
decisão final sobre a assinatura do convênio que levou à contratação da FLS Tecnologia
S/A sem licitação, concorrendo diretamente para o suposto crime.

Além de Castanheira, foram denunciados no caso o ex-presidente do BRB, Tarcísio Franklin de Moura, e os ex-diretores Ari Alves Moreira, Wellington Carlos da Silva e Divino Alves dos Santos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 40 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal