Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

22/10/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Pesquisa aponta aumento de golpes com cartão e menos crimes violentos

Fraudes em cartões cresceram 327% em 10 anos na cidade de São Paulo. Balanço do Insper indica que metade dos entrevistados foi vítima de crime.

Criminosos dedicam-se cada vez mais a fraudes na cidade de São Paulo, trocando roubos por golpes com cartões de crédito, indica uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (22) pelo Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper). O levantamento, feito com 10.967 pessoas nos anos de 2003, 2008 e 2013, compara as taxas de vitimização entre os anos de 2003 e 2013.

Intitulada “Vitimização em São Paulo – 2003-2013”, a pesquisa mostra que houve queda no número de vítimas de crimes violentos, como roubo contra pessoa (-13,8%), roubo de veículo (-23,4%) e agressão física com lesões leves (-40,4%). “Apesar de haver queda em alguns tipos de crime, os níveis de vitimização ainda são muito elevados”, ressalta o relatório.

O crime que mais aumentou foi fraude em cartão de crédito: 327,5% entre 2003 e 2013. Outros tipos de golpes sofreram queda: o uso de dinheiro falso diminuiu 47,9% e o de cheque sem fundo, de 50,1%. “Isto pode estar ligado a um aumento na utilização de cartão de crédito e diminuição do uso de cheques”, afirma a pesquisa.

A porcentagem de entrevistados que foi vítima de algum tipo de estelionato foi de 18,67% em 2013. “Isto significa que aproximadamente um em cada cinco paulistanos foi vítima de algum tipo de fraude nos 12 meses anteriores à pesquisa.”

O balanço indica também que 53,4% dos entrevistados foi vítima de um tipo de crime ou de violência durante a vida.

BOs

O levantamento também aponta que apenas 35,3% das vítimas de roubo registraram o crime na Polícia Civil. Dos que não quiseram fazer boletim de ocorrência, 30% disseram que não o fizeram por medo de represália do assaltante e 18,9%, por considerar que seria perda de tempo.

Tal comportamento é prejudicial para a polícia, pois as estratégias de policiamento ostensivo baseiam-se em parte nos boletins de ocorrência registrados. Se a vítima não registra que foi assaltada, a polícia desconhece tal crime e deixa de aprimorar as rondas policiais na região.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 62 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal