Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

19/10/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ação antipirataria no DF apreende 15 mil óculos falsos e prende 12 pessoas

Segundo Seops, 7 dos presos são chineses; ocorrências vão para a PF. Apreensão é a segunda maior do ano; operação foi na Feira de Importados.

Uma operação do Comitê de Combate à Pirataria do Distrito Federal apreendeu nesta sexta-feira (18) 15 mil óculos falsificados na Feira dos Importados de Brasília, no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA). Segundo a Secretaria de Ordem Pública e Social (Seops), doze pessoas foram presas, entre elas sete chineses.

A pasta informou que a apreensão foi a segunda maior do ano. As 16 bancas que comercializavam os óculos funcionavam no bloco D do centro comercial. As investigações tiveram duração de duas semanas.

Os presos foram encaminhados para a Delegacia de Combate aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DCPim), onde prestaram depoimento e assinaram termo circunstanciado. A pena para falsificação de produtos varia de um e três de prisão ou multa.

A DCPim vai encaminhar as cópias das ocorrências envolvendo os chineses presos durante a operação à Polícia Federal. “Com a documentação, a PF poderá verificar a situação deles no país e até mesmo impedir a renovação de permanência no território nacional”, afirma o delegado-chefe da DCPim, Luiz Henrique Sampaio.

A operação contou com apoio de 50 servidores, entre agentes da Seops, policiais da DCPim e homens da Polícia Militar. Uma amostra do material foi levada para o Instituto de Criminalística da Polícia Civil para perícia. Em seguida, os produtos vão para o depósito da Central de Guarda de Objetos de Crime (Cegoc), para serem destruídas.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 98 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal