Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

19/10/2013 - Cenário MT Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Falsos médicos pagaram R$ 20 mil em diplomas para participar do "Mais Médicos"


Parte dos 41 envolvidos no esquema de falsificação de diplomas médicos, desmantelado pela Polícia Federal, buscava na Justiça o direito de ingressar no programa “Mais Médicos”, criado pelo Governo Federal. A informação foi repassada nesta sexta-feira (18), quando a PF deflagrou a operação “Esculápio”, pelo delegado Guilherme Torres, responsável pelas investigações em Mato Grosso.

Os supostos médicos, adquiriam, a um custo médio de R$ 20 mil, certificados de conclusão de curso de um operador do esquema, ainda não identificado. Os diplomas pertenciam a 3 instituições bolivianas. “As universidades não estão envolvidas, até porque confirmaram que estes 41 nunca concluíram o curso. Mas pode ser que este operador seja funcionário destas instituições, uma vez que o documento é muito parecido com o original”.

Com os documentos falsos, os supostos médicos ingressavam com pedido de revalidação do diploma, feito por meio de prova, na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). “Ao checarem com as universidades bolivianas, os técnicos da UFMT descobriram que os documentos eram falsos e denunciaram o caso para nós”.

Desde agosto, agntes do serviço de Inteligência da PF fizeram um cruzamento de dados e identificaram convergências nos procedimentos adotados pelos suspeitos, pessoas dos Estados de Mato Grosso, Alagoas, Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Rondônia, Rio Grande do Sul.

Torres ressalta que destes 41, pelo menos 1 sequer chegou a cursar Medicina. “Os outros estudaram 1, 2, 3 anos, mas não chegaram a concluir o curso”. O grupo chegou a fazer a prova, sob o monitoramento da PF que aprofundava a investigação, e acabou reprovado. Agentes da PF estiveram nas residências dos envolvidos e chegaram a ouvir alguns deles . Aqueles que não foram encontrados foram intimados e irão depor sobre o assunto.

O delegado destaca que todos deverão ser indiciados por uso de documento ideologicamente falso, que prevê pena de 1 a 5 anos de reclusão. “Com os depoimentos pretendemos chegar até este operador do esquema, ainda não identificado”. Dos mandados, 3 foram cumpridos em Mato Grosso, sendo 2 em Cuiabá e um em Tangará da Serra (239 km a médio-norte da Capital).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 56 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal