Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

29/11/2007 - Correio Braziliense Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

RJ prende 25 acusados de desvio de R$ 1 bi


Uma quadrilha de sonegação e corrupção fiscal formada por fiscais da Secretaria da Fazenda, empresários e contadores desviou cerca de R$ 1 bilhão do Estado do Rio em um ano, de acordo com o Ministério Público. Até a conclusão desta edição, 25 pessoas haviam sido presas -funcionários públicos, empresários e contadores.

Com salários entre R$10 mil e R$ 12 mil, os fiscais denunciados pelo MP moravam em bairros nobres do Rio, como Gávea, Ipanema, Urca (zona sul) e Itanhangá (zona oeste). "São fiscais antigos, em fim de carreira", disse o procurador-geral de Justiça do Rio, Marfan Vieira.

A operação Propina S.A., deflagrada ontem pelo Ministério Público do Rio, teve como base 2.053 horas de escutas de 107.258 ligações de 70 telefones grampeados. A Justiça decretou 31 mandados de prisão provisória -11 de fiscais da Receita Estadual- e 106 de busca e apreensão. Outros dez fiscais foram afastados do cargo.

O caso lembra o Propinoduto, esquema montado por fiscais do Estado e da Receita Federal e empresários para cobrar propinas, mas o valor das fraudes desta vez é 16 vezes superior. Apesar de condenados em primeira e segunda instâncias, nenhum dos envolvidos no Propinoduto está preso.

Além das 25 pessoas que haviam sido detidas, blocos de notas fiscais, computadores e bens foram apreendidos. Segundo o MP, os presos serão denunciados à 33¦ Vara Criminal do Rio sob acusação de sonegação fiscal, corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

As investigações do MP apontam que os fiscais denunciados comandavam esquema de sonegação fiscal baseado no recebimento de propinas por empresas que vão desde salões de beleza e lojas de sapatos a indústrias farmacêuticas, passando por escritórios de contabilidade, postos de gasolina, lojas de material hospitalar e elétrico e locadoras de veículos.

Com as propinas, os fiscais abrandavam as fiscalizações, deixando de lavrar autos de infração, aplicando multas em valores menores e resolvendo pendências das empresas com a Fazenda, de acordo com as investigações. Prestavam, ainda, espécie de consultoria, ensinando empresários a fazer caixa dois e sonegar impostos.

Uma das empresas acusadas de envolvimento no esquema, é a International Boats, que pertence ao filho do fiscal Francisco Ribeiro da Cunha Gomes, conhecido como Chico Olho-de-Boi e apontado como o principal envolvido do esquema. Chico foi preso na madrugada de ontem no aeroporto Tom Jobim, no Rio, quando ia embarcar para Manaus, com R$ 20 mil em dinheiro. A International Boats tem uma filial na capital.

A sede da empresa em São Paulo foi fechada pelo MP local, a pedido da operação do MP do Rio. Segundo o promotor paulista Arthur Lemos, há suspeitas de que a International Boats fosse usada pelo esquema para lavagem de dinheiro. Chico Olho-de-Boi chegou a substituir, por três dias, Rodrigo Silveirinha -o principal acusado do caso Propinoduto- na coordenação de uma inspetoria na Secretaria Estadual de Fazenda do Rio, depois que ele foi preso.

A Polícia Federal apreendeu parte da documentação que comprovaria que a International Boats intermediou a venda de casa em Angra do Reis para o traficante colombiano Juan Carlos Ramírez Abadía em 7 de agosto.

Vieira disse que o rombo do esquema nos cofres públicos soma cerca de R$ 1 bilhão. "É a maior operação do gênero no país. É a ponta do iceberg." A Folha não conseguiu localizar os advogados dos acusados.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 297 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal