Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

13/10/2013 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Certidão e paciência para enfrentar filas são os pré-requisitos para tirar o RG

Por: Reynaldo Turollo Jr.


Um mesmo repórter da Folha conseguiu ao longo deste ano tirar RGs em Vitória, Campo Grande, Maceió, João Pessoa, Natal, Rio Branco, Porto Velho e Porto Alegre.
Ter RG em Estados diferentes não é considerado crime, mas abre brechas.

Com dois RGs, uma pessoa pode pedir um atestado de bons antecedentes no Estado onde tenha a ficha limpa e apresentá-lo no Estado onde tenha pendências na Justiça.

Essa brecha permite a ela se inscrever em um concurso público, por exemplo.

País afora, a única exigência para solicitar uma nova carteira de identidade é a apresentação de uma certidão de nascimento ou de casamento -além de paciência para enfrentar longas filas.

Em Campo Grande, por exemplo, a Folha esperou sete horas para tirar o RG em janeiro e teve de pagar uma taxa de R$ 26 pela primeira via, o que é vetado por lei federal. O Estado informou que a cobrança já foi extinta.

Em Porto Velho, moradores e repórter passaram a noite em frente ao posto de atendimento para garantir uma senha. Depois disso, foi necessário esperar por mais três horas até a coleta de digitais.

Já em Maceió, o RG demorou 40 dias para ficar pronto.

Em capitais como Rio Branco e Natal, além da certidão de nascimento, servidores perguntaram se o repórter residia no Estado. Em todos os casos, bastou um "sim".

Ao longo da apuração, a reportagem encontrou fragilidades. A principal: seria possível fazer RG com outro nome. Assim, em Belo Horizonte, o repórter apresentou a certidão de nascimento de outro jornalista da Folha.

Uma semana depois, estava pronto o RG com nome, filiação, local e data de nascimento de Adriano dos Santos Brito, mas com foto e digitais de Reynaldo Turollo Junior.

O RIC (Registro de Identidade Civil), previsto para substituir o RG, deverá impedir que isso ocorra. Um indivíduo já identificado em qualquer Estado do país será reconhecido, em qualquer outro Estado, por suas digitais.

Tirar RG com nome falso é crime. Segundo o especialista em combate a fraudes Lorenzo Parodi, uma identidade falsa permite abrir contas bancárias, assinar contratos e obter financiamentos, além de ser base para esquemas de lavagem de dinheiro.

Um idoso preso em 2003 em Goiás com 16 identidades com nomes diferentes é um caso emblemático. Ele recebia 16 pensões do INSS.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 141 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal