Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2017 SOBRE FRAUDES e DOCUMENTOSCOPIA

Veja aqui a programação dos últimos treinamentos sobre Falsificações e Fraudes Documentais (16/11) e sobre Prevenção e Combate a Fraudes em Empresas (30/11).

Acompanhe nosso Twitter

11/10/2013 - Diário de Notícias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude no Pediátrico de Coimbra será de 27 milhões

As águas subterrâneas que foram o principal argumento para inflacionar em 27 milhões de euros o custo do hospital são classificadas como "embuste" por ex-fiscal da obra.

O "Jornal de Notícias" escreve na sua edição de hoje que "a alegada existência de águas subterrâneas, que fez derrapar o custo do novo Hospital Pediátrico de Coimbra em muitos milhões de euros, foi uma "fraude", diz o ex-fiscal residente da obra. João Costa da Silva, que deixou aquelas funções depois de ser proibido de entrar na obra em 2008, põe em causa a argumentação que, em grande medida, permitiu ao consórcio construtor Somague/Bascol invocar custos imprevistos e cobrar cerca de 10 milhões de euros em contratos adicionais e alcançar uma indemnização de 16,7 milhões de euros em ação arbitral ganha à Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC). Ou seja, uma faturação de cerca de 27 milhões".

Segundo o jornal, "a tese da existência de uma linha de água no subsolo do hospital, mas também de rocha que viria a justificar o uso imprevisto de explosivos nas escavações dos terrenos, é constestada no relatório de João Costa que, em 2011, levou aInspeção Geral de Atividades em Saúde (IGASS) a abrir uma investigação. O documento revela que foram detetados defeitos no edifício por erros de costrução e troca de materiais, que implicarão obras urgentes, de cinco milhões de euros, e obras profundas, que deverão levar a ARSC a reclamar uma indemnização de 20 milhões de euros ao empreiteiro. Razões pelas quais a Polícia Judiciária está a investigar o caso, por burla. A questão da água subterrânea também consta no relatório com sendo uma fraude e uma vistoria ao local feita pelo IGAS afirma que em 46 furos feitos no terreno não foi detetada água no subsolo". (L.M.C.)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 151 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal