Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

30/09/2013 - Bahia Notícias Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Em inquérito policial, ex-produtor da banda A Zorra é acusado de estelionato

Por: Rafael Albuquerque


Diney Nascimento Muniz Azevedo, ex-produtor da banda A Zorra, está passando por maus bocados. Existe um inquérito policial (44/2013) – ao qual o Bahia Notícias teve acesso –, que está em trâmite na Delegacia de Ilhéus em que Diney é investigado pela prática de delitos de estelionato, duplicata simulada e formação de quadrilha. De acordo com o inquérito de 2012, o produtor teria combinado com o sócio da empresa Rdez Agência de Viagens e turismo o superfaturamento de notas fiscais de prestação de serviços e divisão dos lucros em prejuízo da empresa AZ Empreendimentos, que administra a banda A Zorra. Estima-se que o prejuízo da banda ultrapassou a quantia de R$ 700 mil. Se indiciado, o ex-produtor da Zorra será processado criminalmente e poderá ser condenado e preso. Para a surpresa de muitos, o noticiante é Leandro Almeida Cavalcanti, vocalista do grupo.

Confira abaixo parte da notícia crime:

“Os fatos chegaram ao conhecimento do Noticiante inicialmente através de um diálogo informal, realizado com o Sr. Jair. Nesta conversa, o Sr. Jair relatou que algumas pessoas haviam lhe informado que o Sr. Diney, em diversas ocasiões, teria, supostamente, em conluio com prepostos da Empresa Rdez, feito ajustes de preços de passagens aéreas com valores majorados agregados -­, com a finalidade de ter proveito econômico com esta operação, e pagos pela Empresa Rdez diretamente ao Sr. Diney, sem autorização, consentimento ou conhecimento do Noticiante. Ou seja, a Az Empreendimentos Artísticos e Publicidade Ltda. pagava valores superfaturados de bilhetes aéreos, sendo que, ao que parece, que até então eram desconhecidas do Noticiante. Este seria, então, o modus operandi do cometimento do injusto penal: O faturamento de passagens aéreas com valores majorados e a do que fora cobrado e pago”.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 101 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal