Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

03/10/2013 - CBN Foz Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Operação Fake Work combate fraudes no seguro desemprego e Bolsa Família


A operação Fake Work deflagrada pela Polícia Federal em conjunto com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), na cidade de Recife, desarticulou uma organização criminosa responsável por desvio de recursos federais destinados ao pagamento de seguro-desemprego e Bolsa Família.

Policiais federais cumpriram nove mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão preventiva, seis de prisão temporária e dois de condução coercitiva. A PF cumpriu ainda mandados de sequestro de bens. Valores em espécie também foram bloqueados em contas bancárias, resultando na apreensão de R$ 4 milhões, desviados pela organização criminosa.

As investigações foram iniciadas há dois meses, após informações trazidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, que notificou falha no sistema informatizado, permitindo a liberação de benefícios fraudulentos por meio de registros de números aleatórios de processos trabalhistas inexistentes, com a criação de falsos vínculos empregatícios.

Durante os trabalhos investigativos, verificou-se que a organização tinha atuação desde janeiro de 2012 no Sistema Nacional de Empregos (SINE), em Olinda/PE e era responsável pela liberação de, pelo menos, 1.463 benefícios fraudulentos, totalizando a fraude o montante aproximado de R$ 8 milhões. A equipe de policiais federais apurou, também, que o líder da organização criminosa se apresentava como policial federal, exibindo falsa carteira funcional e ostentando patrimônio obtido por meio da fraude.

Os investigados foram indiciados como incursos nos crimes de corrupção ativa ou passiva, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas somadas podem ultrapassar 30 anos de prisão.

O nome da operação, Fake Work, faz alusão a criação de vínculos empregatícios falsos que era como a quadrilha atuava aplicando os seus golpes.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 113 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal