Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIDADE DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste inédito treinamento programado para o dia 20/12 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

26/09/2013 - Conexão Tocantins Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MPE aponta que 73% das ações de combate à corrupção propostas pelo órgão ainda aguardam julgamento


A Assessoria de Comunicação do Ministério Público Estadual (MPE) afirmou na tarde desta quinta-feira, 26, que o órgão vem cumprindo sua parte no sistema jurisdicional, propondo ações penais e ações de improbidade que vêm promovendo um verdadeiro cerco aos gestores públicos corruptos. Porém, considerando aquelas que foram distribuídas à Justiça até 31 de dezembro de 2011 – portanto, há mais de um ano e meio –, apenas 26,39% foram julgadas, informou o órgãi.

Esse percentual de julgamento salta para 49,89% quando se toma por referência apenas as ações criminais relacionadas à administração pública, porém cai para 16,28% quando se considera as de improbidade administrativa. No Estado, são 1.138 processos pendentes, de acordo com levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) .

Em nível nacional, o quadro é similar. De todo o volume de ações relacionadas a crimes contra a administração pública distribuídas ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), à Justiça Federal e aos estados até o final de 2011, foram a julgamento 47,67%.

Para apressar a efetivação da Justiça no que se refere à prática da corrupção, o CNJ trabalha para ver cumprida a Meta 18, segundo a qual, até o final do ano, devem ser proferidas sentenças para 100% das ações penais e de improbidade distribuídas até 31 de dezembro de 2011.

Avaliação

Para os integrantes do Ministério Público Estadual, a instituição não pode carregar o ônus da impunidade aos gestores que dilapidam o erário, já que vem cumprindo seu papel constitucional de defesa do patrimônio público, em sintonia com o clamor social.

Nesse sentido, o Procurador de Justiça Marco Antônio Alves Bezerra realiza uma avaliação histórica, analisando que, em nível nacional, o Ministério Público é uma das instituições públicas mais afinadas com os processos de ruptura dos paradigmas sociais. Em contraponto, ele aponta que o Judiciário é mais conservador, não tendo absorvido plenamente, ainda, os avanços decorrentes da instituição da Lei nº 8.429 (Lei da Probidade Administrativa), sancionada em 1992. Isso, a ponto de ser necessária a provocação de uma entidade externa, o CNJ, para que o Judiciário atue com efetividade no combate à corrupção, área em que não se verifica um desempenho a contento.

Até 1992, relembra o Procurador de Justiça, o Brasil contava com uma legislação antiga e deficitária, baseada no Código Penal, de 1940, e no Decreto-Lei 201/67, que versa sobre sobre a responsabilidade dos prefeitos e vereadores.

Em passagem por Palmas na última semana, a ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que também é ex-presidente do CNJ, disse que, com a Meta 18, o Judiciário vai “começar” a mexer com a questão da corrupção no Brasil. Ela atribuiu a atuação deficitária nessa área às condições de trabalho dos juízes e aos conflitos políticos.

Tocantins

Visando ao alcance da Meta 18, segundo consta no site do CNJ, o Tribunal de Justiça estadual criou centrais de Execução Fiscal e destacou equipes para auxiliar no trabalho das Varas de Fazenda Pública. A Corregedoria-Geral de Justiça tocantinense estabeleceu, ainda, a obrigatoriedade de que o juízo de primeiro grau informe à Corregedoria o andamento dos processos relacionados à Meta 18. (Com informações do MPE)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 130 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal