Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

23/09/2013 - Âmbito Jurídico Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Negada liminar a ex-diretor de estatal baiana acusado de fraude em licitação


A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido de liminar no Habeas Corpus (HC) 119270, impetrado pela defesa de G.P.L.F., ex-diretor financeiro da Bahiatursa (Empresa de Turismo da Bahia), contra decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que negou provimento a recurso interposto naquela Corte.

Segundo os autos, o ex-diretor foi denunciado pelo Ministério Público da Bahia, juntamente com outros dois corréus, devido à suposta prática do crime definido no artigo 92 da Lei 8.666/1993 (Lei de Licitações), fato que deu origem a processo criminal em curso na Justiça estadual.

Segundo a denúncia, os três réus celebraram como representantes legais da Bahiatursa o quarto termo aditivo a um contrato de prestação de serviços de publicidade, com o fim de burlar a Lei 8.666/1993, que obriga a realização de licitações inclusive para sociedade de economia mista e empresas públicas. A Justiça baiana negou habeas corpus impetrado pelo ex-diretor financeiro, decisão que foi mantida no STJ. No HC 119270, a sua defesa pediu liminar para suspensão da ação penal em curso na Justiça estadual e, no mérito, o trancamento definitivo do processo.

O ex-dirigente alegou que a denúncia é inepta, pois não descreve a conduta ilícita que ele teria praticado, caracterizada ofensa ao contraditório e à ampla defesa. Reconheceu que assinou o termo de aditamento, mas negou que agiu assim com o objetivo de burlar a legislação.

Decisão

A ministra Cármen Lúcia apontou que as teses do processo vêm sendo analisadas, desde as instâncias originárias, de maneira aprofundada e conclusiva, não se tendo encontrado falhas que conduzissem ao trancamento da ação penal. “Daí decorre a necessidade de exame mais detido da questão, a ser feito no julgamento de mérito da presente impetração”, afirmou.

De acordo com a relatora, a decisão do STJ, em princípio, parece em harmonia com a jurisprudência do Supremo, no sentido de que o trancamento de inquérito ou ação penal em habeas corpus é medida excepcional, apenas justificável “nos casos de manifesta atipicidade da conduta, de presença de causa de extinção da punibilidade do paciente ou de ausência de indícios mínimos de autoria e materialidade delitivas”, citando o julgamento do HC 103891, relatado pelo ministro Ricardo Lewandowski.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 124 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal