Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/09/2013 - Jornal de Negócios Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Espanha: Procuradoria anti-corrupção pede julgamento para 61 sócios da PwC

Por: Rita Dias Baltazar

As autoridades espanholas alegam que os sócios da consultora estarão envolvidos em processos de fraude fiscal.

A procuradoria anti-corrupção apresentou uma acusação por escrito em que pede a abertura de um julgamento a 61 sócios da consultora PricewaterhouseCoopers (PwC), em Espanha, segundo o jornal “Cinco Días”.

Os crimes relacionar-se-ão com assuntos financeiros. Por um lado, os sócios da PwC não terão indicado, na sua declaração de rendimentos, o bónus que ascendeu aos 20,9 milhões de euros, que terão recebido em Janeiro de 2002, como retribuição pelo trabalho prestado à empresa. Em vez disto, consideraram que fazia parte do recebido pela venda da divisão da consultora à IBM, pagando assim menos impostos, segundo a procuradoria.

Quando os sócios receberam a bonificação, em Janeiro de 2002, as negociações com a IBM não teriam ainda começado. De acordo com a procuradoria anti-corrupção de Espanha, as conversações entre as duas empresas iniciaram-se apenas em Julho e a transacção veio a concretizar-se em Outubro.

Por outro lado, as sociedades PwC onde os sócios acusados trabalhavam omitiram as retenções na fonte correspondentes aos rendimentos de trabalho. Assim, o Estado terá deixado de encaixar mais de 4 milhões de euros da PwC Auditories, perto de 1,7 milhões da PwC Jurídico y Fiscal, 848,87 mil da PwC Asesores de Negócios e cerca de 3 milhões de euros da PwC Consulting.

A PwC terá também omitido, na declaração de impostos sobre sociedades, a parte correspondente à venda da PwC à IBM Global Services España.

As penas pedidas para os sócios da PwC pela procuradoria anti-corrupção variam entre os dois e os 14 anos e 10 meses de prisão, por crimes contra as finanças públicas. No total, as fraudes cometidas pelos sócios nas duas operações superarão os 12 milhões de euros.

Na época a que remontam as acusações, a empresa tinha sede em Bizcaia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 134 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal