Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

23/09/2013 - cidadeverde.com Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Preso falso policial se passava por funcionário da Vale e engenheiro


A Delegacia Geral de Polícia Civil deflagrou Operação Abganale e prendeu em flagrante, na última sexta-feira (20), Diógenes Pereira da Silva, 26 anos, por furto qualificado e usurpação de função pública. Ele passava por policial civil, engenheiro eletricista da Eletrobras, técnico de equipamentos hospitalares, e até mesmo funcionário da Vale do Rio Doce para aplicar golpes.

A Polícia Civil batizou a operação em alusão ao estelionatário estadunidense Frank Abaganale Jr., cuja vida inspirou o cinema no filme Prenda-me Se For Capaz (título em português).

As investigações policiais começaram quando uma associação de policiais civis foi vítima de um furto, supostamente praticado por um de seus associados. A partir daí suspeitou-se que alguém estava se passando por policial para cometer crimes. Os investigadores da Delegacia Geral procuram indícios do estelionatário sobretudo na internet e descobriram que Diógenes buscava vítimas e oferecia diversos serviços, desde docência em estabelecimentos de qualificação profissional até manutenção em equipamentos hospitalares.

Em Teresina, ele dizia ser policial civil recém-concursado, usava distintivo com a insígnia da Instituição, hospedou-se na associação de policiais civis e portava uma arma de fogo falsa à cintura.

Segundo a polícia, Diógenes tinha vários certificados de cursos e distribuía seu currículo em empresas de qualificação profissional para dar aulas como engenheiro, mas sempre se apresentando como policial civil, para não levantar demais suspeitas. Ele chegou a se matricular em um curso de técnico eletricista, na Eletrobrás – Piauí, onde estagiou postou fotos em redes sociais.

Em Parnaíba, o golpista confeccionou material publicitário de uma suposta empresa de manutenção de equipamentos hospitalares e os distribuiu naquela cidade. A partir de então, dizia fazer manutenção em equipamentos, mas não os concertava, em alguns casos devolvia as peças desses equipamentos piores do que o estado original que as recebia, em outros casos sequer devolvia os equipamentos.

De acordo com a investigação, Diógenes havia sido preso pela primeira vez em Açailândia (MA), quando se passava por funcionário da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD). Naquela época ele permaneceu por oito dias nas dependências da Vale naquele município, usando crachá falso e uma farda. Deu ordens e realizou diversos procedimentos nas dependências da empresa, como viagens de deslocamento, com hospedagem, alimentação e carro por conta da Companhia. Ele também teve acesso aos computadores da CVRD e usou a senha de um funcionário que estava viajando.

Já naquela época, Diógenes Pereira da Silva também teve acesso ao almoxarifado e ao Centro de Controle Operacional (CCO), que é o coração da Ferrovia Carajás. A farsa foi descoberta quando uma pessoa do setor de recursos humanos da empresa solicitou o número de matrícula do farsante e verificou que não existia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 194 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal