Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FALSIFICAÇÃO DOCUMENTAL NOS PROCESSOS ELETRÔNICOS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 16/08/2018 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

19/09/2013 - Diário de Notícias / Lusa Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude está ligada à "política cega" de despedimentos

Por: Luís Manuel Cabral

A Federação de Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans) defendeu hoje que o aumento da fraude dos transportes na região de Lisboa está ligado à "política cega" de redução de trabalhadores.

"O aumento da fraude nas empresas de transportes na região de Lisboa não pode ser desligado do aumento das dificuldades das pessoas e também da política cega de redução de trabalhadores, nomeadamente em áreas operacionais das empresas", refere a Fectrans num comunicado hoje divulgado.

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, defendeu na quarta-feira a necessidade urgente de se acabar com as fraudes nos transportes públicos.

Afirmando que, a pedido do Governo, a Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa (AMTL) elaborou um relatório sobre as fraudes nas validações, o governante frisou que "não se pode ignorar as suas conclusões".

De acordo com o relatório, cujos dados foram hoje divulgados no jornal Público, "a fraude está a custar mais de oito milhões de euros por ano aos transportes públicos de Lisboa".

O estudo concluiu que na Carris a taxa média de fraude é de 15,2% e estará a provocar prejuízos mensais superiores a 400 mil euros, mais de 5 milhões de euros ao final de um ano.

No Metro, a taxa média de fraude nas 18 estações analisadas (cerca de 35% do total) situa-se em 1,1 por cento. Já nas duas estações da CP observadas, o nível de infração é de 2,3 por cento.

A Fectrans sublinha que o combate à fraude "faz-se também com uma fiscalização eficaz, com trabalhadores efetivos das empresas de transportes, o que tem sido posto em causa pela redução de postos de trabalho".

De acordo com a Fectrans, no Metropolitano de Lisboa há "16 trabalhadores na área da fiscalização quando já foram cinquenta e dois".

"Na Carris, hoje, são apenas trinta e cinco. Na CP existe apenas um revisor por comboio (composto por duas unidades independentes), foram reduzidas brigadas de fiscalização", refere a nota hoje divulgada.

A Fectrans ressalva que "é preciso apurar a diferença de números indicadas pelo estudo da ATML e das empresas e se o estudo não ocorreu numa altura anómala", acrescentando que "um estudo sério terá que ser feito em várias ocasiões e não apenas num momento".

Segundo o Público, a AMTL realizou o relatório entre maio e agosto, por meio de observação direta na utilização dos serviços da Carris e do Metropolitano de Lisboa, bem como de duas estações da CP (Rossio e Cais do Sodré).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 143 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal