Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

16/09/2013 - Público.pt - Última Hora / Lusa Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PJ detém burlões que lesaram empresas de trabalho temporário em mais de dois milhões de euros

Crimes foram praticados nos dois últimos anos. Foram detidos cinco homens e uma mulher.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve cinco homens e uma mulher ligados a um grupo criminoso que, nos últimos dois anos, praticou crimes de burla qualificada e falsificação de documentos, lesando empresas em mais de dois milhões de euros.

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, a PJ informa que os detidos, sem profissão e com idades entre os 29 e 52 anos, estavam ainda indiciados por associação criminosa, tendo dois deles ficado em prisão preventiva após interrogatório judicial. Os restantes foram sujeitos a outras medidas de coacção.

A investigação já apurou que este grupo criminoso terá lesado pelo menos dez empresas de prestação de serviços de trabalho temporário, num valor total que ultrapassará os dois milhões de euros.

A PJ precisa que as detenções ocorreram em Lisboa e na zona de Leiria, tendo sido realizadas diversas buscas em domicílios, escritórios e viaturas, o que permitiu apreender grande volume de documentação, 70 mil euros, telemóveis, computadores e outros objectos relacionados com as actividades ilícitas. Foram ainda apreendidas diversas viaturas.

Os elementos probatórios recolhidos pela investigação indicam que o grupo criminoso (agora desarticulado) utilizou, pelo menos, duas sociedades legalmente constituídas, para, através delas, burlar várias empresas de trabalho temporário.

Para o efeito, os burlões apresentavam a empresa como sendo uma firma dedicada à realização de vários trabalhos, designadamente de manutenção industrial, que necessitava de grandes quantidades de trabalhadores para efectuar vários trabalhos que, na realidade, não existiam.

Dessa forma, explica a PJ, acordavam com as empresas de prestação de serviços de trabalho temporário a contratação de elevado número de trabalhadores que eram indicados pelos próprios burlões e que com eles estavam conluiados. Acordavam ainda que os serviços por estas prestados seriam pagos a 60 ou a 90 dias, o que lhes permitia apoderarem-se dos montantes relativos aos primeiros dois ou três ordenados dos supostos trabalhadores contratados que eram pagos pelas empresas de trabalho temporário. Cometida a burla, a empresa instrumentalizada era encerrada.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 93 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal