Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

16/09/2013 - Aquidauana News / Terra Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

SC: mulher do ministro do MTE é suspeita de fraudes em convênios


Uma investigação que foi pedida pelo Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina (TCE-SC) ao Tribunal de Contas da União (TCU) apura denúncias que ligam a mulher e o chefe de gabinete do ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias (PDT-SC), a fraudes em convênios ligados à pasta em Santa Catarina. Dalva Maria de Luca Dias, que é presidente do PDT em Florianópolis, foi secretária estadual de Assistência Social, Trabalho e Habitação do Estado de maio de 2007 a julho de 2010 - período durante o qual teriam ocorrido as irregularidades.

O atual chefe de gabinete do ministro, Rodrigo Minotto, ocupava, na época, o cargo de coordenador do Sistema Nacional do Emprego (Sine) no Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O TCE fez o pedido de investigação ao TCU no mesmo dia em que três funcionários do Ministério do Trabalho foram presos pela Polícia Federal na Operação Esopo, que investiga desvios de recursos da pasta. Segundo relatórios do TCU, a secretaria estadual chefiada por Dalva favoreceu três entidades - uma delas ligada ao PDT - em convênios de R$ 2,1 milhões.

As instituições faziam parte do Programa Estadual de Qualificação Profissional, e eram responsáveis por dar cursos profissionalizantes a trabalhadores de várias áreas. Dos R$ 2,1 milhões previstos, 83% vinham do Ministério do Trabalho - que, na época, era chefiado por Carlos Lupi (PDT-RJ). Auditores do TCE que investigaram os convênios antes de pedir a apuração do TCU afirmaram que houve aprovação de gastos que não tinham "caráter público", mas eram despesas "ilegítimas e genéricas".

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 87 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal