Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FRAUDES NAS EMPRESAS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 26/04 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

13/09/2013 - Jornal Cruzeiro do Sul Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

"Compliance" para quem?

Por: Rodrigo Gomes Monteiro

Pela nova lei as empresas estarão sujeitas ao perdimento de seus bens, à suspensão ou interdição parcial de suas atividades e até mesmo à sua dissolução compulsória.

Agora é lei no Brasil. A empresa que praticar ato de corrupção será responsabilizada objetivamente, na esfera administrativa e civil, pela prática de atos contra a administração pública.

Na rabeira da tendência mundial de normatizar o combate à corrupção, a exemplo da ""Convenção Interamericana Contra a Corrupção"", idealizada pela Organização dos Estados Americanos (OEA), firmada em 1996, da ""Convenção sobre o Combate à Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais"", da Organização para a Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE), firmada em 1997, e da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, aprovada em 2005, adveio ao ordenamento jurídico brasileiro a Lei 12.846, do último 1º de agosto.

É fruto da aprovação do projeto de lei 39/13, inspirado nas legislações americana (""Foreing Corrupt Practices Act"" - FCPA, em vigor desde 1997) e inglesa (""Bribery Act"", de 2011) e tem suas garras direcionadas ao financiador do ato de corrupção, e não ao receptor desse ato espúrio. No contexto de adaptação de nossa legislação às exigências internacionais, já contávamos com normas voltadas ao combate à corrupção, como a Lei de Improbidade Administrativa (de 1992) e a Lei da Ficha Limpa (de 2010), mas persistia um hiato quanto à responsabilização das empresas corruptoras, antes sujeitas a punições de multa e proibições de contratar com o poder público e dele receber incentivos fiscais ou creditícios.

Pela nova lei as empresas estarão sujeitas ao perdimento de seus bens, à suspensão ou interdição parcial de suas atividades e até mesmo à sua dissolução compulsória (esfera cível), além de multa (podendo chegar até R$ 60 milhões) e ônus de publicar a decisão condenatória em meio de comunicação de grande circulação na área de prática da infração e de atuação da empresa (esfera administrativa).

Interessante que ao criar mecanismos que podem, efetivamente, inibir a corrupção, fraude a licitações e outras práticas que afetam a administração pública, a Lei 12846, seguindo mais uma tendência de outras leis, como a de lavagem de dinheiro e de combate a cartéis, prevê benefícios ao envolvido que decidir colaborar com as investigações.

Agora a maior novidade: o estímulo à prática do ""compliance"". Quem contar com mecanismos e procedimentos internos de integridade, auditoria e incentivo à denúncia de irregularidades e a aplicação efetiva de códigos de ética e de conduta no âmbito da pessoa jurídica terá a pena reduzida (os parâmetros de avaliação desses mecanismos e procedimentos ainda serão estabelecidos em regulamento do Poder Executivo federal, é o que diz o parágrafo único de seu artigo 7º).

A implantação ou aprimoramento de programas de ""compliance"" (termo anglo-saxão que deriva da expressão ""to comply"", cujo sentido é agir de acordo com uma regra) presente no mundo corporativo, provoca a seguinte indagação: por que o Estado e seus agentes igualmente não se sujeitam ao ""compliance"" e passam a agir em conformidade com as normas, além de fomentar a ética e a transparência que se coadunam com as boas práticas governamentais?

Não só as empresas mas sobretudo o Estado que queremos deve ter a integridade e os princípios enunciados na Constituição Federal (legalidade, igualdade, moralidade, impessoalidade e publicidade), presentes em todas as ações por si realizadas. É certo que a nova lei anticorrupção vai estimular o ""compliance"" nas empresas, que aprimorarão, em seu âmbito interno, o cumprimento de normas e regulamentos, evitando o comprometimento da companhia com práticas ilícitas. Pode ainda eclodir uma prática mais comum nos Estados Unidos e na Europa: acionistas processando administradores, ou as próprias empresas abrindo ação contra seus funcionários. O objetivo seria mostrar que há idoneidade da companhia, para evitar sanções mais rígidas.

Mais do que uma ""atenuante"", o ""compliance"" é uma exigência do mundo capitalista. Sua prática, antes da lei, é um norte que devemos todos estar comprometidos a seguir. Aliás, a democrática manifestação popular que precedeu a edição da Lei 12846 é prova cabal da fadiga da sociedade com tanta corrupção e desmandos da coisa pública. Se de um lado ainda pende regulamentação a respeito do que caracteriza um efetivo programa de ""compliance"" para atenuar a pena de empresa envolvida em prática de ato de corrupção, de outro encerra uma certeza: a Constituição Federal foi feita para ser cumprida e certamente confere aos agentes do Estado pilares seguros para um ""compliance"" eficaz em fina sintonia com os anseios do povo brasileiro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 165 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal