Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FRAUDES NAS EMPRESAS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 26/04 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

08/08/2013 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Quadrilha dava prejuízo de R$ 200 mil por mês com cigarros falsos, em PE

Operação Alcatrão prendeu 12 pessoas na quarta-feira (7). Fábrica começou por causa de vigilância na fronteira com o Paraguai.

A Polícia Civil de Pernambuco detalhou, nesta quinta-feira (8), como atuava a quadrilha que fabricava cigarros falsificados no estado, desarticulada na quarta (7), através da Operação Alcatrão. O grupo teria começado a fazer o produto depois de um aumento na vigilância na fronteira entre o Brasil e Paraguai – país de onde os cigarros falsos eram contrabandeados.

A quadrilha também praticava o crime de sonegação de impostos. “A expectativa da Secretaria da Fazenda, com a desarticulação desse grupo, é recuperar mensalmente cerca de R$ 200 mil, o que representa R$ 2,5 milhões por ano”, comentou Anderson Alencar, diretor de operações da Secretaria da Fazenda de Pernambuco. A quadrilha vai responder por crime contra a economia popular, crime contra a saúde pública e contrabando.

As investigações da polícia começaram com duas descobertas: uma fábrica clandestina de cigarro em Feira Nova, no Agreste pernambucano, em outubro de 2012, e um galpão que funcionava como depósito de fumo, em Caruaru. Na época, os responsáveis não foram descobertos, mas as investigações não pararam. Ao todo, 12 pessoas foram presas.

Foram apreendidos armas, carros roubados ou com a placa clonada, anabolizantes de venda proibida, R$ 60 mil em dinheiro e 584 mil maços de cigarro, avaliados em mais de R$ 2 milhões. De acordo com a polícia, os donos da fábrica e do depósito eram irmãos e também contrabandeavam e vendiam o produto, através de criminosos paraguaios. “A instalação da fábrica se deve ao fato de haver uma repressão muito forte na fronteira. Então, a entrada do cigarro importado se tornou muito difícil”, comentou o delegado Francisco Rodrigues.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 92 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal