Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

21/08/2013 - Africa 21 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Antigos gestores ligados ao Grupo Espírito Santo sob suspeita de corrupção

O presidente e dois administradores da Escom foram constituídos arguidos na investigação sobre as contrapartidas do German Submarine Consortium pela venda de dois submarinos ao Estado português, quando a Escom pertencia ainda ao Grupo Espírito Santo.

Lisboa - Três gestores da Escom, empresa portuguesa que pertencia ao Grupo Espírito Santo e foi vendida em 2011, foram constituídos arguidos há três semanas no âmbito da investigação do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) sobre a compra de dois submarinos pelo Estado português ao German Submarine Consortium. O grupo alemão vendeu os submarinos, comprometendo-se a contratar uma série de contrapartidas em favor da economia portuguesa, contrapartidas essas que vieram a suscitar uma investigação.

Helder Bataglia, presidente da Escom, e Luís Horta e Costa e Pedro Ferreira Neto, administradores, são, segundo a edição desta quarta-feira do jornal "i", os primeiros arguidos deste processo, cuja investigação decorre há sete anos e não tem indícios contra titulares de cargos públicos. Os três gestores estão indiciados por corrupção activa, tráfico de influência e branqueamento de capitais.

A Procuradoria Geral da República e a Escom invocaram o facto de o caso estar sob segredo de justiça para não comentarem as informações do "i" sobre a constituição dos arguidos.

Os investigadores do DCIAP querem esclarecer se parte dos 30 milhões de euros pagos pelo consórcio alemão à Escom, por serviços de consultoria, serviram para pagar comissões a partidos políticos e a titulares de cargos políticos.

Paulo Portas era, na altura da adjudicação da compra dos dois submarinos à German Submarine Consortium, o ministro da Defesa Nacional. Tal como já foi noticiado, o DCIAP suspeita que o CDS-PP terá recebido donativos ilegais. Na prática, o Ministério Público (MP) está a investigar se houve ou não contrapartidas por parte dos alemães e se a Escom terá tido uma função de veículo no pagamento desses montantes.

Segundo o "i", o DCIAP não terá encontrado qualquer indício de corrupção passiva contra Paulo Portas, actualmente vice-primeiro-ministro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 69 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal