Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


FRAUDES NAS EMPRESAS

Veja aqui a programação deste importante treinamento programado para o dia 26/04 em São Paulo

Acompanhe nosso Twitter

02/09/2013 - TudoRondonia Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraudes em Conselho Federal de Enfermagem superam R$ 7 milhões

As fraudes envolveram 31 empresas e 45 pessoas, que atuaram em 41 licitações.

O Tribunal de Contas da União (TCU) condenou os envolvidos no esquema de desvio de recursos públicos do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) a pagar quantia superior a R$ 14 milhões. As fraudes somam R$ 7,5 milhões, em valores da época em que ocorreram as ilegalidades, entre 1995 a 2002, e deverão ser atualizados para pagamento. O restante, cerca de R$ 6,8 milhões, refere-se a multas aplicadas pelo TCU aos responsáveis.

As fraudes envolveram 31 empresas e 45 pessoas, que atuaram em 41 licitações. As empresas apresentavam propostas fictícias e emitiam notas fiscais frias para recebimento de valores, repassados a beneficiários pré-definidos.

Segundo constado pelo tribunal, o esquema acontecia da seguinte forma: inicialmente, tinha-se a realização de licitações forjadas, com participação de empresas ligadas entre si, de servidores do Cofen ou de terceiros, com objetivo de aparentar competitividade e dar legalidade às contratações. Posteriormente, as empresas vencedoras emitiam notas fiscais frias, sem contraprestação de serviços ou fornecimento dos produtos requeridos. Por fim, representantes da alta gestão do Cofen autorizavam o pagamento com base nas notas fiscais, mediante cheques endossados por pessoas físicas ou jurídicas ligadas ao esquema.

O TCU declarou as 31 empresas ligadas ao esquema inidôneas para participar de licitações com a administração pública. As penas variaram entre quatro e cinco anos. Os envolvidos ainda ficarão impedidos de exercer cargos públicos em comissões ou funções de confiança, por períodos que variam entre cinco e oito anos.
As irregularidades também estão sendo apuradas pela Justiça Federal.

O relator do processo é o ministro-substituto Marcos Bemquerer.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 126 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal