Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

27/08/2013 - Revista Consultor Jurídico Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Adulteração mal feita livra acusado de falsificação

Por: Jomar Martins


Apresentar cópia de documento sem autenticação não pode ser objeto material de crime de uso de documento falso. A jurisprudência, já pacificada no Superior Tribunal de Justiça, levou a 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Regiãoa manter a absolvição de um homem denunciado por falsificação de documentos numa audiência judicial.

Nos dois graus de jurisdição, ficou claro aos juízes que a cópia em ‘‘xerox’’ apresentada em juízo era tão grosseira que não apresentava potencialidade lesiva para causar dano à fé pública. Tanto que o réu, que litigava naquele processo, não obteve êxito ao apresentar o documento.

O relator da Apelação Criminal, juiz federal convocado Luiz Carlos Canalli, registrou que a própria Procuradoria da República opinou pela manutenção da absolvição. ‘‘Concluindo, a conduta perpretada pelo réu é atípica, aliás, como bem pontuado na sentença e no próprio parecer ministerial’’, escreveu no acórdão, lavrado na sessão do dia 23 de julho.

O caso

O Ministério Público Federal ajuizou Ação Criminal contra Cliomar Silva de Souza Junior, por este ter apresentado à 12ª Vara do Trabalho de Curitiba, em janeiro de 2007, uma declaração falsa. O documento atestava conclusão do Curso Supletivo de Auxiliar de Enfermagem, supostamente emitido pela Universidade Federal de Santa Catarina. A conduta criminosa foi enquadrada nos artigo 304 (uso de documentos falsos) e 297 (falsificar documentos), caput, do Código Penal. A denúncia, que teve como base Inquérito Policial, foi recebida em março de 2012.

O acusado, por meio de defensora pública constituída, pediu sua absolvição no processo. Alegou que a mera apresentação de fotocópia não-autenticada ao juízo trabalhista é conduta atípica, não configurando ‘‘delito de falso’’. Sustentou que, se assim não fosse, se trataria de crime impossível, já que a falsificação é grosseira.

A sentença

A juíza Bianca Georgia Arenhart Munhoz da Cunha, da 2ª Vara Federal Criminal de Curitiba, afirmou na sentença que o documento xerografado não apresenta potencialidade lesiva à fé pública. Logo, não pode ser objeto material de crime de uso de documento falso. Em consequência, julgou o pedido do MPF improcedente.

Acenando com a jurisprudência, ela destacou que a conduta imputada ao réu não constitui crime para efeitos do artigo 297 do Código Penal, por impropriedade absoluta do meio.

‘‘Tanto é assim que o exame de corpo de delito, indispensável aos crimes que deixam vestígios (artigo 158 do CPP), restou prejudicado (fls. 150, 167 e 185 do IPL 2009.70.00.002983-4), sendo certo que a ausência de perícia impossibilita a comprovação satisfatória da materialidade da infração penal’’, complementou. O réu foi absolvido por denúncia atípica, conforme prevê o artigo 386, inciso III, do Código de Processo Penal.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 107 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal